Comissão do Senado aprova Campos Neto à presidência do Banco Central – Exame

Decisão foi unânime, mas nomes serão avaliados pelo plenário da Casa, com expectativa que processo ocorra ainda nesta terça-feira (26)

Por Reuters com Estadão Conteúdo

access_time 26 fev 2019, 16h12 – Publicado em 26 fev 2019, 15h49

Brasília – A Comissão de Assuntos Econômicos aprovou nesta terça-feira o nome de Roberto Campos Neto à presidência do Banco Central por unanimidade, bem como as indicações de Bruno Serra Fernandes à diretoria de Política Monetária e de João Manoel Pinho de Mello à diretoria de Organização do Sistema Financeiro do BC.

Todos os indicados foram aprovados por 26 votos a favor e nenhum contra. “Isso demonstra claramente a confiança de todos os senadores dessa comissão em relação ao trabalho que os senhores vão realizar”, disse o presidente da CAE, senador Omar Aziz (PSD-AM). Ao proclamar o resultado da votação, ele lembrou que a comissão convidará Campos Neto daqui a seis meses para debater a situação da economia brasileira.

Agora, os nomes deverão ser apreciados no plenário do Senado, sendo que a expectativa é que o processo ocorra ainda nesta terça-feira.

Flávio Bolsonaro

O senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) usou seu tempo de fala na sabatina de Campos Neto para elogiar as escolhas liberais do governo do presidente Jair Bolsonaro, seu pai, e defender a reforma da Previdência.

“Tenho a certeza de que teremos um BC independente, sem a interferência do governo em questões estratégicas da política monetária. Talvez o presidente Jair Bolsonaro tenha se encontrado uma ou duas vezes com o indicado. O Brasil finalmente vai tomar um rumo correto na economia sem interferência da política e sem um olhar criminoso sobre o empreendedor, como se fosse crime ganhar dinheiro”, afirmou o senador. “Quando o Estado não atrapalha já está ajudando demais”, completou.

Flávio aproveitou os dez minutos de seu tempo para também defender a aprovação da reforma da Previdência, entregue pelo governo ao Congresso na semana passada. Ele rebateu as acusações de que a proposta atual deixe idosos desamparados ao pagar apenas R$ 400 como Benefício de Prestação Continuada (BPC) entre os 60 e 70 anos de idade para as pessoas em situação de miserabilidade. Segundo ele, o discurso da oposição de que pobre será penalizado (na reforma) será dizimado em plenário.

“A intenção da reforma não é desamparar, mas sim proteger essas pessoas”, argumentou. “Sem a reforma, o Brasil quebra em 15 anos. Ninguém está feliz em ter que apreciar a matéria, ninguém gostaria de fazer, mas é necessário fazer a reforma o quanto antes”, completou.

Também passam por sabatina na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) Bruno Serra Fernandes, que ocupará a Diretoria de Política Monetária, e João Manoel Pinho de Mello, que será o titular da Diretoria de Organização do Sistema Financeiro e de Resolução do BC.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!