Projeto do risco hidrológico deve ser votado esta semana, diz ministro

O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, disse hoje (25) acreditar que a Câmara dos Deputados aprove ainda esta semana o projeto de lei 10.985/18, que traz uma solução para os débitos de geradores de energia relativos ao risco hidrológico das usinas (GSF, na sigla em inglês). O projeto é uma das prioridades do Executivo. De acordo com o ministro, o líder do governo na casa, Major Vitor Hugo (PSL-GO), tem conversado com parlamentares e líderes para viabilizar a votação da proposta. 

“Nosso líder está trabalhando nisso dentro da Câmara dos Deputados, e nós temos conversado com parlamentares, bancadas. Eu acredito que esse projeto, se não for aprovado essa semana, será após o carnaval”, afirmou o ministro.

O texto já foi aprovado no Senado e seguiu para a Câmara dos Deputados onde teve requerimento de urgência aprovado no fim de 2018. Se for aprovado no plenário sem alteração pelos deputados, segue diretamente para a sanção presidencial. 

GSF

A legislação atual obriga as usinas hidrelétricas a produzirem uma quantidade mínima de energia. Quando o volume gerado fica abaixo do piso, por causa da falta de chuvas, por exemplo, as hidrelétricas acabam recorrendo a outras fontes, como as térmicas, para assegurar o volume mínimo de energia, o que tenda a encarecer o custo da energia produzida.

O impasse envolvendo o risco hidrológico começou em 2015, quando, em razão da escassez de chuvas, as geradoras de energia não conseguiam produzir toda a energia prevista nos contratos de fornecimento e tiveram que comprar energia de outros fornecedores para cumprir seus compromissos.

Diversos geradores do mercado livre entraram com pedidos de liminar para suspensão do pagamento. No ano passado, o passivo do ambiente de contratação livre girou em torno de R$ 11 bilhões.

Esses valores impactam no preço das conta de luz, em razão da escassez de chuvas. A proposta que tramita no Congresso isenta as hidrelétricas de multa quando a causa for considerada “não hidrológica”.

Dados da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) apontam em R$ 24 bilhões o impacto previsto para o ajuste do risco hidrológico (GSF) no mercado de energia em 2019. Desse montante, R$ 17 bilhões devem ser divididos pelos consumidores atendido no mercado regulado, como as residências. Já os agentes do mercado livre deve arcar com R$ 7 bilhões.

Edição: Sabrina Craide

Fonte Oficial: EBC.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!