China apoia reformas propostas pelo governo federal, diz embaixador

O embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, afirmou hoje (27) que apoia as reformas propostas do governo e espera ampliar a parceria comercial entre os dois países. Ele participou do encontro com empresários promovidos pelo Lide (Grupo de Líderes Empresariais) China na capital paulista. Segundo o embaixador, o Brasil ingressou em uma “nova etapa de desenvolvimento”.

“O Brasil entrou em uma nova etapa de desenvolvimento, dedicada às reformas das instituições políticas e econômicas. A China apoia as reformas do governo brasileiro, pois vão trazer bem-estar ao povo brasileiro”, disse ele.

Wanming lembrou que a China foi o maior parceiro comercial do Brasil por três anos consecutivos. Pelos dados do Ministério da Economia, o comércio entre os dois países, somando exportações e importações, atingiu R$ 100 bilhões no ano passado. Os principais produtos de exportação do Brasil são soja e petróleo (não refinado)

A filial internacional do Lide China reúne líderes, empresários e autoridades públicas com o objetivo de incrementar os negócios entre chineses e brasileiros.

Demanda

O embaixador chinês destacou a crescente demanda por consumo que o país oriental apresenta e as oportunidades que esse cenário pode oferecer ao Brasil. “Nos próximos 15 anos, a importação [pela China] de 33 trilhões de dólares é a expectativa média”, estimou.

No cargo há dois meses, o embaixador disse que estabeleceu diálogo com o presidente Jair Bolsonaro e os ministros para tranbsmitir o interesse da China em aprofundar a cooperação financeira e comercial.

SÃO PAULO, SP, BRASIL, 12-06-2013, 09h00: Plantação de café, um dos principais produtos de exportação do Brasil – Arquivio/Marcelo Camargo/Agência Brasil

“O presidente Bolsonaro manifestou que vai dedicar todos os esforços para ampliar o relacionamento com a China, sobretudo [a parceria] comercial”, afirmou o embaixador chinês.

Setores

A cooperação entre Brasil e China vai se intensificar nos setores da indústria, energia, processamento de produtos agrícolas e refino de petróleo, segmentos que trazem mais valor agregado. A China, segundo o embaixador, deixou para trás o crescimento em alta velocidade e, agora, prioriza a qualidade.

“O crescimento da economia mundial está ainda anêmico. Nesse contexto, nossos dois países devem aproveitar o potencial de mercado”, afirmou o diplomata chinês.

 

 

Edição: Renata Giraldi

Fonte Oficial: EBC.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!