Em diário, ex-diretor da Dersa mostra ‘proximidade’ com Aloysio Nunes – Isto É

Á época de sua primeira prisão, em abril de 2018, o ex-diretor da Dersa, Paulo Vieira de Souza, fez um diário de cárcere em que demonstrou sua proximidade com o ex-ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes (PSDB). “Solicitei ao adv Santoro para falar com Aloysio ligar para minha casa e dar um apoio moral, contei a conversa da Pri e Ana Flávia na carta”.

Na ocasião, Vieira de Souza estava preso em Tremembé, interior paulista, alvo de investigação da Procuradoria e da Polícia Federal por supostos desvios de R$ 7,7 milhões de programa de reassentamento do Rodoanel Trecho Sul, empreendimento de governos do PSDB. Posteriormente, ele chegou a ser solto por Gilmar Mendes, preso novamente na mesma investigação, e solto mais uma vez pelo ministro do Supremo.

Atualmente, Paulo Vieira de Souza vive sua terceira prisão, desta vez, na Operação Lava Jato em Curitiba – efetuada no dia 19 -, que o põe sob suspeita de lavagem de R$ 130 milhões em contas no exterior. Os valores teriam abastecido ex-diretores da Petrobrás e políticos. Um dos supostos beneficiários de cartões de crédito emitidos por estas contas é Aloysio Nunes, citado em documentos dos bancos suíços.

Paulo Vieira já arrolou o ex-ministro como sua testemunha de defesa, e afirmou, em entrevista, ser amigo do tucano. Para procuradores da força-tarefa, a partir de suas afirmações em diário “observa-se a proximidade com Aloysio Nunes Ferreira Filho, extrapolando o alegado empréstimo de recursos em 2007 noticiado na imprensa”.

Com a Palavra, Aloysio

No dia da deflagração da Ad Infinitum, terça, 19, o ex-ministro Aloysio Nunes Ferreira disse que ainda “não teve acesso às informações” da investigação que faz parte da fase 60 da Lava Jato.

Segundo o tucano, o delegado da Polícia Federal que conduziu as buscas em sua residência nesta terça, 19, “foi muito cortês”, mas não revelou a ele os motivos da diligência. “O inquérito está em segredo, eu estou buscando saber o que há.”

Aloysio negou ter recebido cartão de crédito da conta do operador do PSDB Paulo Vieira de Souza, preso na Ad Infinitum.

Fonte Oficial: Isto É.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!