AGU cria força-tarefa para defender reforma da Previdência na Justiça – Exame

Objetivo é monitorar tribunais de todo o País, incluindo o STF para atuar efetivamente em ações que questionem a proposta

Por Estadão Conteúdo

access_time 1 mar 2019, 19h59

Brasília – A Advocacia-Geral da União (AGU), setor jurídico do governo federal, comunicou nesta sexta-feira (01) que montou uma força-tarefa para assegurar que as mudanças na Previdência Social sejam realizadas “sem empecilhos judiciais”. De acordo com a assessoria do órgão, o grupo irá monitorar tribunais de todo o País, incluindo o Supremo Tribunal Federal (STF), para ter uma “atuação ágil e coordenada” em eventuais ações que questionem as novas regras da Previdência, que ainda precisam ser aprovadas pelo Congresso Nacional.

Como já mostrou o Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, o governo teme uma judicialização da reforma, que acabe desconfigurando a nova Previdência e a economia que pretende ter com as mudanças. A criação da força-tarefa foi uma determinação do advogado-geral da União, André Mendonça. Segundo o órgão, a ideia é que o grupo já esteja preparado para atuar antes mesmo da aprovação da reforma pelo Parlamento, “uma vez que ações judiciais podem questionar a própria tramitação da proposta”, explica.

A força-tarefa é composta por representantes dos principais órgãos da AGU que atuam nos tribunais e no assessoramento jurídico: Secretaria-Geral do Contencioso, Procuradoria-Geral da União, Procuradoria-Geral Federal, Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional e Consultoria-Geral da União, além de contar com coordenação do gabinete do advogado-geral da União.

“A nova Previdência traz uma nova perspectiva para o futuro do País. É uma necessidade para o País e ela vai demandar uma atuação coordenada em várias frentes. Na esfera política, econômica, mas também jurídica. Vamos ter, em todo o País, advogados da União acompanhando eventuais questionamentos judiciais sobre qualquer questão relacionada à reforma”, diz Mendonça.

“Se houver necessidade, eles vão despachar com o Judiciário, fazer os recursos necessários, tudo para que haja segurança jurídica para a reforma tramitar e, uma vez aprovada, para que tenhamos uma nova perspectiva para o País, com sustentabilidade para a Previdência e para a aplicação dos recursos públicos”, explicou o chefe da AGU.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!