FMI, Banco Mundial, OCDE e ERDB têm agora economistas-chefe mulheres – Exame

Gita Gopinath, Laurence Boone, Pinelopi Goldberg e Beata Javorcik estarão no comando da pesquisa de algumas das instituições mais influentes do planeta

access_time 4 mar 2019, 08h00

São Paulo – As mulheres estão conquistando cada vez mais espaços de poder e um exemplo é o ramo da economia.

Quatro das principais organizações multilaterais do planeta escolheram recentemente mulheres para o posto de economista-chefe.

Isso significa que elas que estarão responsáveis por coordenar as projeções que embasam as instituições, servem como referência para o mercado e influenciam nos rumos da economia global.

Conheça as quatro economistas:

Gita Gopinath (Fundo Monetário Internacional)

Esta americana nascida na Índia, de 47 anos, foi escolhida para o cargo em outubro e assumiu em janeiro no lugar de Maurice Obstfeld.

Gita tem um Ph.D. em Economia de Princeton e já vinha chamando a atenção como professora, primeiro na Universidade de Chicago e depois em Harvard, de onde tirou uma licença.

Em 2011, foi escolhida pelo Fórum Econômico Mundial como uma das “jovens líderes globais”. O FMI também é dirigido desde 2011 por outra mulher, a francesa Christine Lagarde.

A instituição foi criada em 1945 e tem como objetivo manter a estabilidade do sistema financeiro global.

Laurence Boone (OCDE)

Escolhida em junho de 2018, esta francesa de 49 anos entrou no lugar de outra mulher: Catherine Mann, que ficou no posto entre 2014 e 2017.

Boone começou sua carreira no Merrill Lynch, já havia passado por instituições como Barclays e AXA e tem mestrado pela London Business School.

Entre 1998 e 2004, já havia trabalhado como economista na OCDE, organização fundada em 1961 e que define padrões para seus 61 países-membros, na maioria desenvolvidos (o Brasil pleiteia uma vaga).

Sua experiência prévia no setor público inclui um período, entre 2014 e 2016, em que assessorou a presidência francesa nas relações com instituições internacionais como FMI e G20.

Pinelopi Koujianou Goldberg (Banco Mundial)

Pinelopi tem um PhD da Universidade de Stanford e tirou licença de Yale, onde passou uma boa parte da sua carreira acadêmica, para assumir o posto no Banco Mundial.

Nascida na Grécia, mas também com cidadania americana, a economista de 56 anos tem no seu currículo pesquisas sobre o efeitos do comércio sobre desigualdade e inovação em países emergentes.

A experiência será valiosa para uma instituição que tem como foco o financiamento de projetos de desenvolvimento nestes países.

Beata Javorcik (Banco Europeu para a Reconstrução e o Desenvolvimento)

A economista polonesa de 48 anos assume em setembro o posto no ERBD, instituição fundada em 1991 para promover financiamentos para desenvolver mercados em 27 países da Europa Central à Ásia Central.

Beata é atualmente professora na Universidade de Oxford e seu currículo inclui um PhD de Yale e uma passagem pelo Banco Mundial.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!