BRF perde R$ 200 milhões em derivativos ao apostar em alta das ações – Isto É

Fábrica da BRF em Abu Dhabi (Crédito: Divulgacão)

Pressionados pela Operação Carne Fraca em 2017, a BRF realizou junto ao Banco Bradesco uma operação de “total return swap”, onde vendia ações compradas anos antes por R$ 53,60 pelo valor de R$ 42,02. A ideia era usar o mecanismo de derivativos de ações apostando na alta de seus papéis sem paralisar parte de seu caixa. O contrato firmado pelo ex-CEO Pedro Faria previa que a BRF pagaria 110% do CDI ao banco em troca da diferença positiva da variação do preço de suas ações.

O cálculo é de que a empresa recuperaria o investimento caso o papel voltasse a casa dos R$ 50. O problema é que hoje os papéis da empresa estão cotados entre R$ 20 devido a novas etapas da Operação Carne Fraca e embargos comerciais como o no mercado europeu.

Com isso, a BRF teve de pagar ao Bradesco 110% do CDI e também a variação negativa de suas ações. Em 16 de agosto de 2017, quando o instrumento derivativo foi assinado, as ações da BRF valiam R$ 41,49. Em 5 de fevereiro, data da liquidação final dos contratos – não havia possibilidade de renovação -, valiam R$ 25,24. A diferença supera R$ 200 milhões. É o dobro do que a BRF conseguiu com a venda da fábrica de hambúrguer de Várzea Grande (MT) à Marfrig, em janeiro.

Fonte Oficial: Isto É.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!