Ex-assessor de Trudeau defende premiê canadense em meio a crise política – Isto É

Primeiro-ministro canadense Justin Trudeau – AFP/Arquivos

Um ex-assessor de confiança do primeiro-ministro canadense, Justin Trudeau, defendeu-o nesta quarta-feira (6) no Parlamento das acusações de interferência na prisão no julgamento de um gigante corporativo que submeteu-o a sua pior crise desde que chegou ao cargo.

O governo liberal de Trudeau foi abalado pelo escândalo, que levou à renúncia de dois de seus ministros e abalou a imagem do primeiro-ministro.

Gerry Butts, que participou da campanha de Trudeau e é seu amigo pessoal, renunciou ao cargo de secretário de gabinete no mês passado, afirmando não querer se tornar uma distração enquanto o governo se prepara para duras eleições gerais, daqui a oito meses.

Ao depor ante o comitê de justiça da Câmara dos Comuns, Butts negou as acusações da ex-procuradora-geral Jody Wilson-Raybould – cuja renúncia abrupta no mês passado levou à crise.

“Estou firmemente convencido de que aqui não aconteceu nada além das operações normais do governo”, disse Butts.

O escândalo é centrado nas denúncias de que o círculo próximo de Trudeau interveio para proteger a gigante canadense de engenharia SNC-Lavalin em um julgamento sobre um caso de suborno.

A empresa com sede Montreal é acusada por corrupção por supostos pagamentos entre 2001 e 2011 para garantir contratos do governo líbio de Muamar al Kadafi.

A SNC-Lavalin pressionou abertamente o governo canadense para chegar a um acordo extrajudicial – que significa o pagamento de uma multa e outras condições de um trato.

A condenação, segundo a empresa, colocaria em risco a existência do negócio e poderia deixar milhares de pessoas sem emprego. Wilson-Raybould se negou a pedir aos procuradores que chegassem a um acordo e espera-se que o julgamento continue.

Desde que deixou o cargo, ele disse que experimentou “pressão constante” do círculo interno de Trudeau para interferir no caso, incluindo “ameaças secretas”.

Trudeau nega as acusações e diz que deixou claro para Wilson-Ray que qualquer decisão sobre o caso dependeria apenas dela.

“Tudo o que pedimos à procuradora-geral foi considerar uma segunda opinião, quando há 9.000 empregos em jogo, é um problema de política pública”, disse Butts.

Fonte Oficial: Isto É.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!