BCE adotou novas medidas de estímulo para impulsionar inflação, diz Draghi – Exame

Bano Central Europeu anunciou que fará empréstimos de baixo custo destinados a bancos

Por Estadão Conteúdo

access_time 7 mar 2019, 13h54

São Paulo – O presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, disse hoje que as novas medidas de estímulo anunciadas pela instituição têm como objetivo impulsionar a inflação na zona do euro, que tende a desacelerar até o fim do ano.

Mais cedo, o BCE anunciou que fará uma terceira rodada de Operações de Refinanciamento de Prazo Mais Longo Direcionadas (TLTROs, na sigla em inglês), que são empréstimos de baixo custo destinados a bancos.

A princípio, as TLTROs serão oferecidas entre setembro deste ano e março de 2021, com possibilidade de que esse período seja estendido se necessário, afirmou Draghi, durante coletiva de imprensa que se seguiu à decisão de política monetária do BCE.

Segundo Draghi, haverá uma necessidade acumulada de financiamento bancário nos próximos anos devido ao vencimento das TLTROs atuais e de um grande volume de bônus bancários, além de fatores regulatórios.

Draghi comentou que a decisão sobre as novas TLTROs foi tomada com base na necessidade de financiamento dos bancos e reflete mudanças nas condições econômicas da zona do euro. Ele disse esperar que as TLTROs favoreçam o ambiente para o crédito bancário.

As TLTROs, com vencimento de 2 anos, terão juro flutuável atrelado à principal taxa básica do BCE, a de refinanciamento, que é atualmente de 0%. Mais detalhes sobre as TLTROs serão reveladas no momento oportuno, disse Draghi.

Como parte da nova postura acomodatícia, o BCE também anunciou pela manhã que manterá seus juros básicos nos baixos níveis atuais “até pelo menos o fim de 2019”. Anteriormente, o BCE planejava manter os juros inalterados até o fim do verão europeu deste ano.

De acordo com Draghi, o frágil desempenho econômico da zona do euro ainda exige “significativa” acomodação da política monetária do BCE e as medidas de hoje foram motivadas por dados recentes, que levaram a instituição a cortar suas projeções de crescimento econômico e de inflação para os próximos anos (veja nota publicada às 11h35). O avanço moderado da economia da zona do euro deverá persistir em 2019, destacou ele.

Draghi comentou ainda que a decisão do BCE de ampliar estímulos monetários foi unânime entre os dirigentes de seu conselho diretor, mas enfatizou que a instituição não discutiu sobre o programa de relaxamento quantitativo (QE, pela sigla em inglês). O QE, pelo qual o BCE comprava mensalmente bilhões de euros em bônus de governos e outros ativos, foi encerrado em dezembro.

Ainda segundo Draghi, a tendência de desaceleração da zona do euro vem em meio a incertezas externas, como o arrefecimento do comércio global, a questão do Brexit – como é conhecido o processo para que o Reino Unido se retire da União Europeia – e vulnerabilidades em países emergentes, como a China, assim como fatores locais, como a difícil situação econômica da Itália, que entrou em recessão técnica no fim do ano passado. Ele avaliou, porém, que as novas providências do BCE aumentam a “resiliência” da zona do euro.

Draghi também afirmou que o BCE alterou o calendário para suas diretrizes de setembro para dezembro e que as decisões tomadas hoje reforçam a credibilidade de sua orientação futura.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!