Ministra sobre agronegócio: “Vamos continuar incomodando muita gente” – Exame

A ministra da Agricultura afirmou que “não tem páreo” para a agricultura brasileira no mundo

Por Estadão Conteúdo

access_time 11 mar 2019, 13h43

São Paulo – A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, disse nesta segunda-feira, 11, em Não-me-Toque (RS), onde participa da abertura da 20ª edição da Expodireto Cotrijal, que o Brasil tem tudo para continuar incomodando seus principais concorrentes internacionais. Segundo ela, o setor agropecuário se estruturou e “está pronto para vencer todos os desafios, produzir cada vez barato e exportar produtos de grande qualidade”.

“Não tem Estados Unidos, não tem China, não tem Mercosul, porque estamos juntos produzindo. E precisamos produzir cada vez mais barato, com competitividade, produtos de grande qualidade. Nós hoje exportamos para mais de 190 países”, afirmou ela.

Conforme nota de sua assessoria, Tereza Cristina reafirmou o compromisso do governo Jair Bolsonaro de participar de todas as ações a favor do agronegócio. “Ele é nosso parceiro incondicional”, disse a ministra aos produtores. Ela reafirmou sua decisão de aumentar a verba destinada ao seguro rural para que beneficie o maior número possível de produtores rurais.

“Como diz meu amigo Alceu Moreira (presidente da Frente Parlamentar da Agricultura), é preciso tirar os sócios ocultos do custo do agricultor brasileiro”, disse ela, referindo-se às altas taxas de juros ainda cobradas do agronegócio.

A ministra disse que “não tem páreo” para a agricultura brasileira no mundo, e por isso ela está incomodando tanto. “A agricultura brasileira tem tudo para continuar na frente. Nós temos certeza disso. O campo se estruturou e nós vamos longe, vamos continuar incomodando muita gente.

O vice-presidente da República, general Hamilton Mourão, também presente ao evento, disse que boa parte dos 5 milhões de agricultores brasileiros não tem acesso à tecnologia e à inovação no campo e pediu que a Embrapa volte a acompanhar mais de perto o trabalho de campo.

O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, prometeu acabar com a burocracia que atrasa a concessão de licenças ambientais, melhorar a logística de escoamento da safra gaúcha pelo porto de Rio Grande e pelas estradas e reestruturar a máquina do governo, para que seja possível reduzir o custo tributário do setor.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!