Brasileiro aplica golpe com de pirâmide de bitcoin até no Quênia – Portal do Bitcoin

O brasileiro Ricardo Rocha, fundador da Velox 10 está sendo acusado por milhares de quenianos de ter aplicado um golpe através de um esquema de pirâmide baseado em bitcoin. O mesmo plano, que já foi aplicado no Brasil há dois anos, começou a fazer as primeiras vítimas em 2017, em Nairóbi, capital do Quênia.

Na época, o então presidente do Banco Central do país africano, Njuguna Ndung’u, alertou contra o investimento na criptomoeda, visto que a Velox 10 não era autorizada a operar no país. Ela foi registrada apenas em 25 de janeiro de 2018, segundo o site local Daily Nation.

A empresa, que já havia feito milhares de vítimas com a pirâmide disfarçada de Marketing Multinível, ficou famosa entre os quenianos por oferecer ganhos fora da realidade do mercados financeiros.

No Quênia, a Velox 10 prometeu aos maiores ‘investidores’ viagem gratuita de cinco dias aos Emirados Árabes Unidos, onde eles iriam se reunir com ‘grandes gurus de negócios globais’, afirmou a mídia.

Somente uma das pessoas que investiu no esquema, a empresária Esther Muthoni, perdeu 3,2 milhões de xelins queniano (cerca de R$ 120 mil) que guardava como o aposentadoria.

Ela ainda apresentou uma amiga ao negócio que também perdeu cerca de R$ 20 mil (KSh 550.000).

A empresa disse que ajudaria os investidores a ganhar milhões de xelins em lucros e cobrava US$ 100 (KSh 10 mil) pela taxa de inscrição mais US$ 200 como depósito inicial para poder fazer parte dos ‘lucros’.

Hoje o domínio usado pela empresa, velox10.com, está à venda.

O brasileiro ‘Diamante’

Há 18 meses, o site Tenho Dívidas denunciava a Velox 10 como um esquema Ponzi, que é o de pirâmide financeira.

Em uma das imagens da pequena reportagem, Rangel Andrades, autodenominado líder, e ‘diamante’ da Unick, aparece em uma foto com o fundador e vice-presidente da Velox 10. No entanto, a matéria repleta de repulsa não comenta qual a sua relação com a empresa.

Andrades já realizou várias lives no Youtube apresentando os negócios que a Unick oferece, bem como os resultados milionários de algumas pessoas, como mostra um vídeo publicado em meados do ano passado.

Mas o recrutador não para. No início do mês, Andrades começou a fazer uma live com um suposto associado da Unick, mas o vídeo foi interrompido.

(Imagem: Reprodução/TenhoDividas.Com)

Ex-telexbit

Rangel Andrades também já se apresentou como líder da Telexbit, uma empresa semelhante à Telexfree que apareceu após seu fechamento. Ambas empresas foram supostamente identificadas como sendo um esquema de pirâmide financeira por meio do bitcoin.

Unick está sob investigação do MPF

A Unick Forex foi proibida pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) de captar clientes no Brasil, e está sob investigação do Ministério Público Federal, o qual abriu um inquérito para apurar a suspeita de esquema de pirâmide financeira.

Leia também: Corinthians lança criptomoeda própria, a Timãocoin


3xBit

Inovação e segurança. Troque suas criptomoedas na corretora que mais inova do Brasil. Cadastre-se e veja como é simples, acesse: https://3xbit.com.br

O post Brasileiro aplica golpe com de pirâmide de bitcoin até no Quênia apareceu primeiro em Portal do Bitcoin.

Fonte Oficial: Portal do Bitcoin.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!