BC não está contente com nível de juros e spread, diz Campos Neto

O Banco Central (BC) não está contente com o nível das taxas de juros no país, afirmou o presidente da instituição, Roberto Campos Neto, na apresentação do Relatório de Inflação, divulgado hoje (28).

Campos Neto disse que o spread [diferença entre taxa de captação do dinheiro pelos bancos e a cobrada dos clientes] é alto, principalmente devido à inadimplência. Ele disse que, na composição do spread, 35% são de inadimplência; 25%, custo operacional; 25%, custo financeiro; e 15%, lucro.

O presidente do BC informou ainda que a recuperação do crédito pelos bancos, quando se tem inadimplência, é R$ 0,13 por cada R$ 1 emprestado e isso leva quatro anos. Já países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), por exemplo, a recuperação é de R$ 0,60 a R$ 0,70, em menor tempo: um ano e meio ou dois. “Temos que fazer um trabalho enorme na parte de recuperação”, disse Campos Neto. Ele acrescentou que estão sendo criados mecanismos para melhorar a garantia dos empréstimos e destacou que a instituição tem trabalhado para reduzir os compulsórios (dinheiro que os bancos são obrigados a deixar depositados no BC), considerados ainda altos.

“O que precisamos fazer é trabalhar nessas microrreformas. Estamos trabalhando fortemente nisso. Não estamos contentes com o nível [de spread] que temos hoje”, disse.

Taxa Selic

Campos Neto, que comandou neste mês sua primeira reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), disse que não quis modificar a forma como o BC vinha tomando suas decisões sobre a taxa básica de juros, a Selic. “Tivemos a preocupação de manter a narrativa descrita anteriormente de olhar os três fatores determinantes das reuniões anteriores: ociosidade [dos fatores de produção da economia], parte externa [economia global] e as reformas [como a da Previdência].”

Ele acrescentou que a única mudança foi comunicar que o balanço de riscos para a inflação deixou de ser assimétrico e passou a ser simétrico. Na ata da reunião do Copom, o comitê avalia os riscos para a inflação. Para o comitê, o nível de ociosidade da economia pode levar à inflação a ficar abaixo do esperado. Por outro lado, diz o Copom, uma frustração das expectativas sobre a continuidade das reformas e ajustes na economia brasileira pode afetar prêmios de risco (retorno adicional cobrado por investidores para aceitar correr maior grau de risco) e elevar a trajetória da inflação. “O risco se intensifica no caso de deterioração do cenário externo para economias emergentes”, destacou.

Sobre a piora do cenário político, Campos Neto disse que é importante o Copom abstrair-se de “ruído de curto prazo”. “Tentamos fazer uma análise de mais médio e longo prazo”, ressaltou.

Campos Neto disse ainda que trabalha com a perspectiva de aprovação da reforma da Previdência. Segundo ele, o importante é que o mercado também mantenha a expectativa de que a reforma será aprovada para que a economia cresça e a inflação fique baixa.

Mercado de câmbio

Sobre o leilão anunciado para esta sexta-feira (29) de US$ 3 bilhões das reservas internacionais com o compromisso de compra, Campos Neto disse que esse era o tipo de operação adequada para o momento. “Não existe nenhuma mudança de estratégia em relação ao câmbio. O câmbio é flutuante. Vamos fazer as operações visando suprir liquidez [recursos disponíveis] do mercado”, disse.

Nos últimos dias, o dólar tem enfrentado fortes oscilações num cenário de instabilidade na economia internacional e de tensões domésticas com as negociações em torno da reforma da Previdência.

Edição: Juliana Andrade

Fonte Oficial: EBC.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!