Semana Terá Guedes na CCJ, Produção Industrial, Payroll e Desemprego nos EUA – Investing.com

Depois da turbulência de março, que acabou com o quase no zero a zero e o em alta de mais de 4%, a primeira semana de abril deve seguir com todas as atenções do mercado voltadas para o ambiente político, mais especificamente na relação entre o governo e a Câmara e no esforço para aprovação da reforma da Previdência.

Por isso, será importante a ida do ministro da Economia, Paulo Guedes, à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara na quarta-feira, às 14 horas. Na quinta, técnicos do governo irão à CCJ para explicar detalhes do projeto. O mercado acompanha também as negociações entre o governo e os caminhoneiros, que voltaram a ameaçar com nova paralisação, o que teria efeito muito negativo sobre a economia, que já está fraca. Os caminhoneiros fizeram manifestações neste fim de semana em Curitiba, mas o movimento teve pouca adesão, cerca de 40 profissionais apenas, segundo a polícia.

A apresentação do ministro, hoje principal articulador político do governo e da reforma da Previdência, será um bom termômetro para avaliar o ambiente entre os deputados em relação ao governo. Os partidos do Centrão ainda se mostram descontentes e podem aproveitar a ocasião para mandar um recado para o governo.

Não é por menos que, apesar da trégua anunciada na semana passada entre o presidente Jair Bolsonaro e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), os investidores seguem preocupados com a forma como o presidente está tratando a questão da articulação política. O governo conseguiu até agora garantir o apoio do próprio partido, o PSL, para a reforma, o que é pouco para quem precisa de três quintos dos parlamentares para mudar a Constituição. Cada vez mais fica mais provável que a reforma da Previdência passe, mas muito mais desidratada que a proposta original de economizar R$ 1 trilhão em dez anos.

Na semana passada, 13 partidos declararam apoio à reforma da Previdência, mas rejeitaram as mudanças no Benefício de Prestação Continuada e na aposentadoria rural. O relator do projeto, delegado Marcelo Freitas, do PSL, promete entregar seu relatório dia 9 de abril. Já Rodrigo Maia fez outros acenos de paz para o governo, selando um acordo com o ministro da Justiça, Sérgio Moro, para a análise do projeto de segurança pública, e retirando a convocação do ministro para depoimento na Câmara. Uma paz mais duradoura, porém, vai depender do presidente Bolsonaro e seus filhos e seguidores.

Na agenda econômica, os dados mais importantes virão de fora, como os de mercado de trabalho de março nos EUA na quinta e na sexta-feira. No mês de fevereiro, a criação de vagas foi de 20 mil, mito abaixo dos 170 mil esperados. Saem também os números de varejo e índice dos gerentes de suprimento (ISM), que serve de indicador antecedente da atividade. Na Europa, o foco será sobre os dados de inflação, desemprego, produção industrial varejo e os índices de gerentes de compras (PMI) da zona do euro. Na Ásia, serão divulgados os PMIs de março na China.

Esses dados são fundamentais avaliar se a desaceleração global vai ser suave ou mais acentuada. Na semana passada a revisão do PIB de 2018 ficou em 2,8% nos EUA e veio ligeiramente abaixo do esperado.

Há também as negociações entre os EUA e a China para encerrar a guerra comercial. Após o retorno da comitiva de membros do governo na China, a expectativa é que ocorra um encontro entre o presidente Donald Trump e um representante do governo Chinês

Já no Reino Unido, o Brexit segue sem solução e aumenta o risco de uma saída sem acordo da Comunidade Econômica Europeia, o que seria bastante negativo par ao país.

Produção industrial e balança comercial

No Brasil, na segunda-feira, além do boletim Focus, com a pesquisa feita pelo Banco Central das projeções do mercado para os principais indicadores econômicos, será conhecida a balança comercial de março. A expectativa do Banco Fator é de um superávit de R$ 5,773 bilhões.

Na quarta-feira, o IBGE divulga a Produção Industrial de março, e a expectativa do Banco Fator é de um crescimento de 2,7% sobre fevereiro e de 2,1% sobre o mesmo mês do ano passado. Na quinta-feira, a Anfavea divulga a produção e as vendas de veículos de março.

Expectativa otimista para a bolsa em abril

O início do mês de abril será positivo, acredita Álvaro Bandeira, economista-chefe do Banco Digital Modalmais. No âmbito interno, com o término das desavenças entre o Executivo e Legislativo, a reforma da Previdência poderá tramitar com maior tranquilidade na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). “Resta ver se Bolsonaro e entorno não vão arranjar mais confusão”, ressalta.

No cenário externo, a expectativa com o fechamento de acordo comercial entre os EUA e a China, depois de declarações positivas vindas de Pequim por Steven Mnuchin, secretário do Tesouro dos EUA, e Robert Lighthizer,secretário de Negócios. Bandeira cita informações de que a China “fez ofertas sem precedentes na área comercial e propriedade intelectual” para acalmar os EUA. Ficaria faltando a visita de Liu He, vice-primeiro-ministro da China, e depois o encontro de Donald Trump e Xi Jinping, afirma o economista.

Sobre o Brexit, depois da terceira rejeição pelo Parlamento, a expectativa é se a primeira-ministra Theresa May renunciará e se haverá saída sem acordo, o que seria ruim para a economia da região. “Podemos considerar que a situação permanece em aberto, com algumas opções ainda sobre a mesa”, afirma .

Em função disso, Bandeira se diz otimistas com relação ao desempenho dos mercados de risco no mundo e no Brasil, o que significaria dólar mais fraco, bolsas em alta e juros ainda repercutindo elevação da inflação no curto prazo, mas sem comprometer a meta.

“Nesse contexto teríamos que buscar inicialmente a faixa de 98.300 pontos para depois tentar marcar novos recordes históricos de pontuação acima de 100.400 pontos”, afirma Bandeira, usando conceitos de análise gráfica para estimar o comportamento do Índice Bovespa. No entanto, para esse cenário otimista, não pode haver recuo nas relações entre Executivo e Legislativo, diz o executivo.

Fonte Oficial: Investing.com.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!