Bolsonaro acredita em reforma até junho, “sem muita desidratação” – Exame

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, também defendeu a PEC e questionou espaço para investimento no Brasil se não forem “organizadas as despesas”

Por Estadão Conteúdo

access_time 1 abr 2019, 18h30

Jerusalém – O presidente Jair Bolsonaro disse, nesta segunda-feira, 1, acreditar que a reforma da Previdência possa ser aprovada no primeiro semestre deste ano pelo Congresso e que espera que a proposta apreciada pelo Legislativo não tire pontos essenciais de seu conteúdo. “Não temos outra alternativa. Chegou a esse ponto: a Previdência está deficitária realmente e temos que fazer essa reforma. Espero que o Congresso a aprove sem que seja muito desidratada”, disse a jornalistas após chegar ao hotel em que está hospedado em Jerusalém, em Israel, após sair para uma agenda privada. Ele argumentou que as contas do País estão desequilibradas e que a reforma é necessária para rearranjar o orçamento.

Bolsonaro ressaltou que a decisão está com o Parlamento. “No que depender de mim, farei gestões. Eu conheço mais da metade dos parlamentares, fiquei 28 anos lá dentro e sei como aquilo funciona. Posso dar sugestões, mas não quero me meter porque agora estou em outra Casa”, disse. Ele informou que na quinta-feira já há uma reunião prevista com alguns líderes partidários para tratar do tema.

Até lá, segundo o presidente, seu trabalho ficará focado no assunto. “A próxima viagem minha deve ser, se ocorrer, depois do primeiro turno da Previdência”, disse ele, salientando que a proposta apresentada pelo Executivo não é dele ou do governo, mas do Brasil.

Sobre a diferença no tratamento da reforma para os militares, usada por alguns como um obstáculo de aprovação no Congresso, Bolsonaro expressou: “Nada a ver”. Ele argumentou que, apesar de ser suspeito para falar por ser capitão do Exercito, trata-se de uma vida completamente diferente. “Militar trabalha 24 horas, tem situações extraordinárias da tropa, GLO (Garantia da Lei e da Ordem), interferências, nossas missões, somos sempre os primeiros a sermos chamados. É uma vida complicada”, enumerou.

Ele disse também que, em 2000, foi o único segmento a ter mudanças de aposentadoria. “Se juntarem as duas (propostas, a de 2000 e a de agora), a nossa foi muito mais profunda do que as demais”, comparou.

O presidente acredita que se o Brasil mostrar que está fazendo dever de casa, com a aprovação pelo Congresso, as contas nacionais, que estão desequilibradas, seriam reequilibrarmos e o investimento caminharia para o Brasil.

Rodrigo Maia

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), defendeu a investidores a aprovação da reforma da Previdência para “organizar o lado da despesa” do governo.

“Nada disso vai acontecer se não organizarmos a despesa do Estado. Se não organizarmos o lado da despesa, como o Brasil vai ter espaço para investimento?”, disse o parlamentar à plateia.

A fala foi feita na sexta edição da conferência Brazil Macro, realizada pelo Goldman Sachs no Hotel Unique, em São Paulo. O evento é fechado à imprensa, mas Maia publicou pequenos trechos da fala no perfil oficial dele no Instagram.

Na fala, o presidente da Câmara defendeu também que o trabalho dos parlamentares “precisa ser readaptado à nova realidade do Brasil de hoje”.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!