Prefeitura de SP adia em 2 meses leilão do complexo do Anhembi – Exame

São Paulo — A Prefeitura de São Paulo adiou em dois meses a divulgação da empresa compradora do Complexo do Anhembi, localizado na zona norte da capital paulista. O leilão estava previsto para 9 de abril, mas foi transferido para 11 de junho, com realização na B3 (Brasil, Bolsa e Balcão, a antiga Bovespa). A mudança também impacta o prazo de entrega dos envelopes de propostas, que mudou de 2 de abril para 4 de junho.

O complexo será vendido em conjunto com o controle acionário da São Paulo Turismo S/A (SPTuris). Com lance mínimo é de R$ 1 bilhão, o leilão é uma das principais apostas do plano municipal de desestatização da capital. Podem participar empresas nacionais e internacionais, instituições financeiras e fundos de investimento em participações (FIPs).

No dia 26 de abril, o presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro João Otávio de Noronha, a decisão que impedia a demolição das edificações do complexo do Anhembi.

No STJ, a Prefeitura de São Paulo alegou que a proibição de demolições inviabilizaria o processo de privatização do complexo. A ação havia sido aberta pelo Ministério Público de São Paulo, que requeria a preservação das características externas do Palácio das Convenções, do Auditório Elis Regina e da Sede Administrativa do complexo, bem como dos jardins e espelhos d’água.

Na decisão, Noronha ressaltou que a preservação das edificações já havia sido avaliada e descartada pelo Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo (Conpresp) em 2017.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!