Boi: Quantidade Embarcada no 1º Tri é a 2º Maior; Receita em Reais é Recorde – Investing.com

O volume de in natura exportado nos três primeiros meses deste ano foi o segundo maior da histórica, atrás apenas do verificado em 2007. A receita em moeda nacional recebida no mesmo período, por sua vez, foi recorde. Os embarques realizados em março contribuíram para esse resultado. De janeiro a março de 2019, o Brasil exportou 336,4 mil toneladas de carne bovina in natura, 5,44% a mais do que em 2018 e apenas 3,69% a menos do que o registrado em 2007, segundo dados da Secex. Quanto à receita em moeda nacional, somou R$ 4,74 bilhões no período, sendo a maior da história e 12,4% superior à do mesmo intervalo do ano passado. Quanto ao boi gordo, os preços subiram em março. Segundo colaboradores do Cepea, a valorizações esteve atrelada à menor oferta de animais prontos para abate e também à demanda firme por parte de frigoríficos. No acumulado do mês passado, o Indicador do boi gordo ESALQ/B3 teve alta de 4,56%, fechando a R$ 157,05. A média do Indicador em março, de R$ 157,45, foi a maior, em termos nominais, desde julho de 2016, quando foi de R$ 155,59. Já em termos reais, ou seja, considerando-se os efeitos da inflação, a média de março é a maior desde janeiro de 2019, quando foi de R$ 154,13 (valores foram deflacionados pelo IGP-DI de fevereiro/19.

SUÍNOS: VALOR DO SUÍNO VIVO REGISTRA MAIOR MÉDIA REAL DESDE DEZ/17

Os preços internos do suíno vivo e também da carne subiram em março, impulsionados pela maior demanda, especialmente do mercado internacional, e também pela menor oferta de animais prontos para abate. Assim, os preços médios do vivo nas regiões de SP-5 (Bragança Paulista, Campinas, Piracicaba, São Paulo e Sorocaba) e de Belo Horizonte (MG) registraram no mês passado os maiores patamares desde dezembro de 2017, em termos reais (os valores foram deflacionados pelo IGP-DI de fevereiro/19). Na região SP-5, o preço médio do suíno foi de R$ 4,21/kg, alta de expressivos 11,3% frente ao de fevereiro – em dezembro/17, a média real do vivo foi de R$ 4,27/kg. Em Belo Horizonte, no mesmo comparativo, a elevação foi de 9,5%, com o animal negociado na média de R$ 4,25/kg – em dezembro/17, a média foi de R$ 4,41/kg. Segundo colaboradores do Cepea, a maior procura pelo animal vivo, devido à elevação das vendas da carne ao mercado internacional, tem aumentado a liquidez do produto no mercado brasileiro. Além disso, a redução de plantéis e a saída de agentes da atividade ao longo do último ano têm reduzido a oferta doméstica dos animais, contribuindo para alavancar os preços.

Fonte Oficial: Investing.com.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!