Se reforma for fraca, em 4 anos vocês estarão reunidos, eu não, diz Guedes – Exame

Ministro da Economia discutiu com parlamentares em comissão para tratar da reforma da Previdência

Por Estadão Conteúdo

access_time 3 abr 2019, 21h04 – Publicado em 3 abr 2019, 20h17

Brasília – O ministro da Economia, Paulo Guedes, voltou a bater boca com deputados em relação à aposentadoria dos militares. Em audiência na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), Guedes disse que os deputados não deveriam perguntar a um ministro por que ele não cortou a aposentadoria dos militares. “Cortem vocês, vocês são o poder. Vocês têm medo de fazer isso?”, questionou.

Guedes disse ainda que o presidente da República, o Congresso Nacional e o Supremo Tribunal Federal (STF) são os atores principais da reforma e que ele tem um papel “pequenininho”. “Se a reforma for forte, é possível pensar em um futuro melhor para os filhos. Se for fraca, daqui a três anos vocês estarão aqui de novo discutindo, eu não. Três anos não, quatro, não vou falar três porque senão os senhores falam que estou saindo do governo. Acabou o mandato não estarei aqui de novo”, completou.

O ministro falou ainda que, se houver pontos inconstitucionais na proposta de reforma da Previdência, caberá ao Congresso corrigir, assim como mudanças na proposta em relação à aposentadoria rural e ao Benefício de Prestação Continuada. “Se for a vontade do Congresso, deve ser feito, estamos preparados para o resultado”, afirmou.

Crítica da proposta do governo para o benefício assistencial a idosos de baixa renda, a deputada Gleisi Hoffmann (PT-PR) questionou se Guedes poderia viver com o valor defendido no texto. “O senhor conseguiria viver um mês, apenas um mês, de sua vida com R$ 400?”, indagou.

A proposta do governo para o Benefício de Prestação Continuada (BPC) prevê o pagamento de R$ 400 mensais a partir dos 60 anos e de um salário mínimo a partir dos 70 anos.

Questionado por deputados sobre falar a verdade, Guedes rebateu. “A verdade é relativa, nossa verdade é mostrar números. Não adianta fugir da verdade, temos um problema sério e distribuímos a conta de forma desigual para não tirar dos pobres.”

Depois do bate-boca, Guedes agradeceu e disse que gostaria que não ficasse “nada pessoal”. Com mais de quatro horas de sessão, Guedes pediu uma pausa para ir ao banheiro. A sessão foi suspensa e Guedes foi cumprimentado pelo líder da oposição, deputado Alessandro Molon (PSB-RJ), com quem havia discutido antes, e foi orientado por parlamentares da base antes da audiência ser retomada, minutos depois.

“Baixem os ânimos”

O presidente da CCJ da Câmara, Felipe Francischini (PSL-PR), voltou a pedir que os deputados “baixem os ânimos”. “Vou exigir respeito de todos para que não haja bate-boca” afirmou. Francischini fez o apelo depois que deputados da base criticaram a oposição por atacar o ministro da Economia, Paulo Guedes.

Guedes explodiu depois que os parlamentares da oposição se intrometeram na sua resposta sobre a idade que as empregadas domésticas se aposentam numa resposta à pergunta do deputado Alessandro Molon (PSB-RJ).

Com fúria, o ministro questionou os parlamentares da oposição: “Por que vocês não botaram imposto sobre dividendos, por que deram dinheiro para a JBS”, disse o ministro em tom elevado. Se voltando para os parlamentares, Guedes disse que “nós estamos há três meses e vocês tiveram 18 anos e não tiveram coragem de mudar”.

Houve reação dos deputados atacados por Guedes, que começaram a gritar. O presidente da CCJ, Felipe Franscischini (PSL-PR), pediu ordem e ameaçou acabar com a audiência. “Vamos respeitar o procedimento”, apelou o deputado.

Diante da gritaria, Guedes reagiu dizendo que ouviu as perguntas calado e que agora era sua vez de falar. “A Casa não está me respeitando. A Casa não me dá direito de falar.”

Guedes foi em frente com as críticas e disse que era fake news a informação de que no Chile havia muitos suicídios por conta da Previdência Social.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!