Bolsonaro indica que Vélez Rodríguez pode ser demitido do MEC na segunda – Isto É

Ministro Ricardo Vélez Rodíguez (Crédito: Luiz Fortes/MEC)

BRASÍLIA – O presidente Jair Bolsonaro insinuou nesta sexta-feira, 5, que o ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez, deixará o cargo na segunda-feira, 8. Desde que assumiu, Vélez tem enfrentado uma série de problemas na pasta.

“Está bem claro que não está dando certo. É uma pessoa bacana, honesta, mas está faltando gestão, que é uma coisa importantíssima. Vamos tirar a aliança da mão esquerda e pôr na mão direita ou na gaveta.” A declaração foi dada durante café da manhã que reuniu diretores de jornais e repórteres de TV, no Palácio do Planalto. O Estado estava entre os convidados.

Bolsonaro admitiu que Vélez poderá ser reaproveitado em outra pasta, mas disse não ter decidido onde. “Quem decide sou eu. Segunda é o dia do fico ou não fico. A situação da educação será resolvida”, argumentou ele.

Questionado sobre a influência do escritor Olavo de Carvalho no governo – e, especialmente, no Ministério da Educação –, Bolsonaro disse que isso não existe. “Tem pouca gente do Olavo na Educação”, declarou.

O ministro enfrenta suscessivas crises desde o início do governo e viu um aumento do desgaste nas últimas semanas com disputas internas, mais de 15 exonerações, medidas polêmicas e recuos.

Há uma semana, Bolsonaro já dava sinais de que poderia tirar Vélez ao nomear para secretário-executivo do MEC, o segundo cargo mais importante da pasta, o tenente brigadeiro Ricardo Machado Vieira, que foi do Secretário de Pessoal, Ensino, Saúde e Desporto do Ministério da Defesa e chefe do Estado-Maior da Aeronáutica.

Na quinta, a Casa Civil exonerou um de seus principais assessores Bruno Garschagen, que era responsável pela comunicação e contato com a imprensa. Garschagen é jornalista e muito ligado a Olavo de Carvalho. É autor de um livro intitulado Pare de Acreditar no Governo. Os agradecimentos iniciais incluem o guru dos bolsonaristas “pela amizade” e o atual ministro “pelas preciosas observações e sugestões”.

Vélez nega que vá entregar o cargo

A declaração de Bolsonaro foi divulgada assim que Vélez começava uma palestra no 18º Fórum do Grupo de Líderes Empresariais (Lide), em Campos do Jordão. Ele negou que vá entregar o cargo: “Insustentável por quê? A única coisa insustentável é a morte”.

Após o painel, deixou o auditório do evento para ir ao banheiro e foi abordado por jornalistas. Inicialmente, se recusou a falar e, minutos depois, negou que irá entregar o cargo.

Em sua apresentação, o ministro pediu apoio de empresários e os convocou para “dialogar” com ele e sua equipe no órgão. Ele participava de mesa com o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e a líder do governo no Congresso, Joice Hasselmann (PSL-SP).

Na sua fala introdutória, Vélez culpou gestões anteriores pela situação da Educação no Brasil e disse que “há muito sendo construindo no âmbito burocrático e administrativo atualmente”. Ele disse que a pasta “cresceu demais”. Perguntado sobre o que seria a “solução” para o ministério, Vélez respondeu: “Racionalidade.”

Questionado sobre se o cargo de ministro da Educação é o mais difícil, Vélez argumentou: “Sim e não. Não, porque é o ministério que lida com as pessoas e isso é a coisa mais importante do mundo. Sim, porque o ministério cresceu demais oferecendo serviços, o que não é negativo, mas que coloca uma tremenda exigência de racionalização administrativa”.

Ao falar sobre o ensino básico, Vélez disse que “algo já deveria ter deveria ter sido feito e o quadro é resultado de anos de descaso”. (COLABORARAM ANDRÉ ÍTALO ROCHA, DANIEL WETERMAN E MATEUS FAGUNDES)

Fonte Oficial: Isto É.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!