Soja: Preços Subiram no Mercado Brasileiro em Março – Investing.com

Os preços da subiram no mercado brasileiro em março, especialmente na última semana do mês, quando o chegou a operar acima dos R$ 4,00. Esse cenário incentivou novas vendas, que, vale lembrar, vinham acontecendo em ritmo lento desde o início do ano. O movimento altista se deve também às fortes demandas externa e de indústrias brasileiras. A alta nos preços domésticos, no entanto, foi limitada pela significativa desvalorização nos valores internacionais.

Em março, o Indicador ESALQ/BM&FBovespa da soja Paranaguá (PR) avançou 0,7% e o Indicador CEPEA/ESALQ Paraná subiu 0,3%, ambos frente a fevereiro, com médias de R$ 78,29/sc de 60 kg e R$ 73,02/sc de 60 kg, respectivamente. No mesmo comparativo, o dólar se valorizou 3,3%, com média mensal de R$ 3,8471 – no dia 27, o dólar atingiu R$ 3,95, o maior patamar desde 2 de outubro de 2018.

Na média das regiões acompanhadas pelo Cepea, as cotações da oleaginosa subiram 1,2% no mercado de balcão (preço pago ao produtor) e 0,9% no de lotes (negociações entre empresas) entre fevereiro e março.

A forte desvalorização do Real frente ao dólar impulsionou o ritmo de negócios envolvendo a soja no mercado brasileiro em março. Mas, vale ressaltar que sojicultores ainda preferiram aguardar a finalização da colheita brasileira para fechar maiores negócios, diante das grandes diferenças na produtividade doméstica.

Nesse cenário, muitas processadoras brasileiras de soja tiveram dificuldades em fechar contratos para a compra do grão ao longo do mês, tanto para o curto quanto para o médio prazos, devido à retração de vendedores em grande parte do período. Segundo representantes de indústrias consultados pelo Cepea, a disparidade entre as ofertas de compradores e os pedidos de vendedores, que chegou a 5 reais/saca de 60 kg, limitou os fechamentos. Vale ressaltar que o produto processado nos meses de fevereiro e março foi negociado ainda em 2018.

As dificuldades foram relatadas de forma mais expressiva por agentes de estados onde a capacidade de esmagamento apresenta maior representatividade sobre a produção, como em Santa Catarina, e também por aqueles que têm necessidade de adquirir o produto de outros estados, como é o caso de São Paulo. No entanto, esses estados demandantes estão em desvantagem, visto que acabam competindo pelo produto a ser exportado, que tem isenção de impostos, enquanto as transações entre estados não são isentas.

DERIVADOS – As vendas de farelo e também diminuíram em março, uma vez que compradores dos segmentos de ração, aves e principalmente de suínos demonstram estar abastecidos. Entretanto, muitos desses agentes sinalizam a necessidade de novas compras a partir do início de abril.

Entre fevereiro e março, os preços do farelo de soja recuaram 1,2% na média das regiões acompanhadas pelo Cepea. Para o óleo de soja, na cidade de São Paulo (com 12% de ICMS), houve queda de 1,7% no mesmo comparativo, com média de R$ 2.745,75/tonelada em março.

Vale ressaltar que, especificamente na última semana do mês, com o aumento nos preços da matéria-prima, os subprodutos da oleaginosa registraram leve reação. Enquanto a demanda por óleo de soja enfraqueceu, compradores de farelo de soja começaram a se preocupar em renovar os estoques.

INTERNACIONAL – Na CME Group (Bolsa de Chicago), os contratos futuros chegaram a ser negociados abaixo dos US$ 9,00/bushel em março, devido à valorização do dólar no mercado internacional, que torna os produtos norte-americanos menos atrativos aos importadores. Além disso, a baixa também esteve atrelada aos elevados estoques norte-americanos e à maior oferta na América do Sul.

Quanto aos futuros, na CME Group (Bolsa de Chicago) entre fevereiro e março, o primeiro vencimento da soja recuou 1,6%, a US$ 8,9604/bushel (US$ 19,75/sc de 60 kg) em março. No mesmo comparativo, o contrato de mesmo vencimento do óleo de soja teve queda de 3,2%, a US$ 0,2926/lp (US$ 645,07/t). Quanto ao farelo de soja, houve baixa de 0,1% entre os dois últimos meses, a US$ 306,28/tonelada curta (US$ 337,61/t).

 Tabela
 Gráficos

Fonte Oficial: Investing.com.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!