Acordo entre ANP e Petrobras dá novo contorno ao Campo de Jubarte

O diretor-geral da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), Décio Oddone, e o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, assinaram hoje (5), em Vitória, acordo que põe fim a um conflito que envolvia áreas do Parque das Baleias, localizado no Espirito Santo. Também participaram da solenidade, realizada em Vitória, o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, e o governador do Espírito Santo, Renato Casagrande.

Pelo acordo, o Campo de Jubarte passa a se chamar Novo Campo de Jubarte e ganha novo contorno, abrangendo as áreas de Jubarte, Baleia Azul, Baleia Franca e partes de Cachalote e Pirambu, na Bacia de Campos.

A assinatura do acordo encerra todos os processos e ações, inclusive administrativos, relativos a esse assunto.

Participação especial

A ANP e a Petrobras concordaram também que o quarto trimestre de 2016 será a data-base do pagamento de diferenças de participação especial (PE) sobre a produção do Novo Campo de Jubarte e demais áreas de desenvolvimento do Parque das Baleias.

Segundo a ANP, as diferenças de participação especial (PE) para fins de pagamento estão em torno de R$ 3,6 bilhões. Uma parcela de R$ 1,5 bilhão deverá ser paga à vista e o restante, dividido em 42 meses.

Sobre a apuração prospectiva da PE para os próximos 20 anos, levando em conta a curva de produção prevista, preço do óleo e câmbio atuais, investimentos e custos operacionais, a estimativa é de arrecadação em torno de R$ 25,8 bilhões em valores nominais. Pela legislação, 50% desses valores serão distribuídos para a União, 40% para os estados e 10% para os municípios.

Diante dos novos investimentos previstos, a ANP aprovou a prorrogação da fase de produção do Novo Campo de Jubarte por 27 anos. Inicialmente, a fase de produção se encerraria em 2029, mas vai se estender agora até 2056, condicionada à assinatura do acordo.

Histórico

O Parque das Baleias compreende as áreas em desenvolvimento de Baleia Anã, Baleia Azul, Baleia Franca, Cachalote, Caxaréu, Mangangá, Pirambu e o Campo de Jubarte, originadas do bloco BC-60, na Bacia de Campos. A Resolução ANP nº 69/2014 determinou a unificação destas áreas ao Campo de Jubarte, excetuando-se o Campo de Mangangá,

A Petrobras contestou a resolução da ANP e abriu procedimento arbitral perante a Câmara de Comércio Internacional, como previsto no contrato de concessão. Foi, então, constituído o Tribunal Arbitral para decidir a questão. Em julho do ano passado, Petrobras e ANP decidiram suspender o procedimento arbitral e passaram a negociar para encerrar a disputa, com base em critérios técnicos.

Com a suspensão da arbitragem, em julho de 2018, foi elaborada uma minuta de acordo em conjunto para encerramento da controvérsia. A minuta foi aprovada em dezembro pela diretoria da ANP e ficou em consulta pública durante 45 dias, com o objetivo de dar transparência ao processo e de receber contribuições da sociedade, de agentes econômicos, prefeitos e representantes do governo.

A audiência pública foi realizada em 14 de fevereiro e, no dia 22, a Petrobras comunicou à ANP que concordava com o envio da minuta para aprovação da Advocacia-Geral da União (AGU) e do Ministério de Minas e Energia. A AGU aprovou a realização do acordo no dias 25 de março e o ministério, no dia 4 deste mês.

Edição: Nádia Franco

Fonte Oficial: EBC.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!