FMI reduz previsão de queda do PIB da Argentina, mas eleva a de inflação – Exame

Agora projeta que o Produto Interno Bruto (PIB) do país encolherá 1,2%, menos que a previsão anterior

Por EFE

access_time 6 abr 2019, 09h33

Washington – O Fundo Monetário Internacional (FMI) divulgou novas previsões sobre a economia da Argentina nesta sexta-feira e agora projeta que o Produto Interno Bruto (PIB) do país encolherá 1,2%, menos que a previsão anterior, que era de uma de queda de 1,9%.

Apesar da perspectiva menos pessimista em relação ao desempenho da economia da Argentina, o FMI piorou as perspectivas sobre a inflação, elevando em dez pontos percentuais, para 30%, as previsões para o índice no fim de 2019.

“A inflação continua sendo elevada. As expectativas inflacionárias estão aumentando, e sua inércia é um efeito difícil de ser quebrado”, afirmou a diretora-gerente do FMI, Christine Lagarde, ao deixar a reunião na qual as novas previsões foram aprovadas.

Em comunicado, Lagarde pediu ao presidente da Argentina, Mauricio Macri, que amplie os esforços para melhorar o desempenho fiscal do governo e a gestão da dívida do país.

Em junho do ano passado, o governo da Argentina acertou um empréstimo de US$ 50 bilhões com o FMI. No entanto, no fim de setembro, após o agravamento da crise do peso, Macri conseguiu acelerar os repasses e ampliar o valor para US$ 56,3 bilhões.

Lagarde disse que as políticas acertadas entre a entidade e Macri para firmar o acordo estão “dando resultado”, diminuindo o déficit fiscal e o em conta corrente do país.

Na análise divulgada hoje, a missão do FMI na Argentina, liderada por Roberto Cardarelli, explicou que a economia do país registrou uma queda menos brusca do que o esperado no ano passado, aliviando a pressão para 2019.

“Espera-se uma recuperação gradual a partir do segundo trimestre deste ano, com o consumo privado apoiado pelo aumento da renda real disponível, após os reajustes salariais, a indexação das aposentadorias, os benefícios sociais e as exportações”, destacou a equipe do FMI que analisou a situação da Argentina.

Apesar da leitura positiva, Lagarde ressaltou que será “crítico” que o governo da Argentina atue com “prudência” na execução das despesas neste ano e tome medidas para aumentar as receitas fiscais.

Após a terceira revisão do acordo, o FMI aprovou hoje mais ajustes no plano de recuperação econômica da Argentina e liberou US$ 10,8 bilhões para o governo de Macri.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!