Banco Mundial avalia plano para a situação de pobreza da Venezuela – Isto É

Carlos Végh, economista-chefe do BM para a América Latina e Caribe – AFP/Arquivos

O Banco Mundial está avaliando um plano para combater a pobreza na Venezuela como parte de um amplo programa de recuperação econômica no país, no caso de uma mudança no governo, disse Carlos Végh, economista-chefe do BM para a América Latina e o Caribe.

A seguir, um resumo da conversa que Végh manteve com a AFP após a divulgação, nesta semana, do último relatório bianual do Banco Mundial para a região, que sinaliza uma “implosão” econômica na antiga potência petrolífera:

P: O relatório estima uma contração do PIB na Venezuela de 25% para este ano, com uma queda acumulada de 60% desde 2013. O que o BM planeja fazer?

R: O Banco fechou seus escritórios em Caracas em 2009, mas segue de perto a situação venezuelana, explorando alternativas e formulando possíveis planos. Um plano de recuperação para a Venezuela teria três pilares: (1) A inflação de combate e estabilizar a macroeconomia, que seria responsabilidade do Fundo (Monetário Internacional, FMI), (2) aumentar a produção de petróleo, que caiu pela metade a partir de 2014, e (3) abordar a área social, onde o Banco Mundial participam com outras agências como o Fundo, o BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento), e, possivelmente, a CAF (Banco de Desenvolvimento da América Latina). Para o Banco, as prioridades seriam combater a pobreza, que estimamos em 90%, e abordar a falta de alimentos e remédios. Estes planos ainda não estão confirmados e devem ser aplicados quando as circunstâncias surgirem. Quando será isso? Não se sabe.

P: Quanto dinheiro será necessário para ajudar a Venezuela?

R: É muito difícil estimar, mas vão ser dezenas de milhares de milhões de dólares.

P: Para este ano está prevista uma taxa de inflação de 10.000.000%. Quanto levará para recuperar a economia venezuelana?

A: Eu gostaria que pudéssemos saber. Ajudar a eliminar o déficit fiscal e, portanto, a hiperinflação será a coisa mais rápida. Melhorar a produção de petróleo será um pouco mais lento, porque (a estatal petrolífera) a PDVSA sofreu com a falta de manutenção e capacidade técnica. Abordar a questão social talvez seja a coisa mais demorada porque a crise humanitária e social é sem precedentes na história moderna da região.

P: O relatório assinala “políticas altamente distorsivas” e “má gestão em geral”.

R: A Venezuela adotou, começando com (Hugo) Chávez (entre 1999 e 2013) e depois com (Nicolás) Maduro, um modelo de desenvolvimento que claramente não funcionou e que estava a cargo de pessoas que não estavam qualificadas para cumprir as funções básicas do Estado. A Venezuela possui as mais importantes reservas comprovadas de petróleo do mundo, e a PDVSA, que sempre foi um pilar fundamental, entrou em colapso. A Venezuela é um exemplo a não ser seguido.

P: Aplicar sanções complica mais o panorama?

R: Não vou ocmentar sobre isso porque se trata de um tema político.

P: Nesta semana, o principal assessor econômico da Casa Branca, Larry Kudlow, disse que os Estados Unidos planejam injetar dólares na Venezuela se o presidente Nicolás Maduro deixar o poder. Vocês pensam em dolarizar a Venezuela?

R: Eu não dolarizaria. 95% das hiperinflações foram resolvidas eliminando-se o déficit fiscal com ajuda financeira e estabelecendo-se uma taxa de câmbio fixa do dólar para a moeda nacional por um determinado período, o que pode ser flexibilizado.

P: Nesta semana, o principal assessor econômico da Casa Branca, Larry Kudlow, disse que os Estados Unidos planejam injetar dólares na Venezuela se o presidente Nicolás Maduro deixar o poder. Você está pensando em dolarizar a Venezuela? A: Eu não dolarizaria. 95% das hiperinflações foram resolvidas eliminando-se o déficit fiscal com ajuda financeira e estabelecendo-se uma taxa de câmbio fixa do dólar para a moeda nacional por um determinado período, o que pode ser flexibilizado.

P: A Argentina entra em seu segundo ano de recessão e há eleições em outubro. O que se pode esperar?

R: Estamos confiantes de que a meta do déficit fiscal zero será atingida para este ano, e é por isso que projetamos um crescimento de 2,9% até 2020. É inevitável que a economia contraia quando um país é forçado a impor uma política fiscal e monetária muito restritiva como resultado de uma crise financeira e de câmbio, como a que começou na Argentina em abril de 2018. É por isso que vemos esses números vermelhos. Mas o governo tem estado muito preocupado com a implementação de programas sociais para proteger os mais vulneráveis e acho que eles estão funcionando bem.

P: Por que existem tantas reivindicações na Argentina?

R: Se o Fundo não tivesse apoiado a Argentina com US$ 57 bilhões, a alternativa teria sido um ‘default’ no estilo de conversibilidade em 2001 e isso teria sido muito, muito pior. Embora seja verdade que esses ajustes fiscais tenham um custo social que se tenta minimizar, eles são inevitáveis porque a alternativa é pior. Não vamos esquecer da terrível situação da economia encontrada pelo governo Macri.

P: Seria outro exemplo a não ser seguido?

R: Outro exemplo a não ser seguido. É a prociclicidade fiscal que ocorreu na Venezuela, no Equador, no Brasil. Um princípio fundamental das finanças públicas é poupar nos bons tempos para quando os maus chegam. Que em geral não foi feito na região na Década de Ouro (2003-2013) por causa do boom de matérias-primas. E agora estão pagando pelas conseqüências.

Fonte Oficial: Isto É.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!