Força-tarefa da Lava Jato anuncia desligamento de procurador – Isto É

Envolvido em recente polêmica com o Supremo Tribunal Federal (STF), o procurador da República Diogo Castor de Mattos solicitou seu desligamento dos trabalhos da força-tarefa Lava Jato em Curitiba, anunciou o Ministério Público Federal (MPF) do Paraná. Em nota, o órgão agradeceu ao procurador “pelos cinco anos em que se dedicou, com excepcional esforço, às investigações da Lava Jato”. O comunicado da força-tarefa não informa os motivos da saída.

Em março, durante julgamento em que o STF decidiu que cabe à Justiça Eleitoral processar crimes como corrupção quando há ligação com delito eleitoral, o presidente da Corte, ministro Dias Toffoli, anunciou que faria uma representação contra Castor por suposto “ataque à justiça eleitoral”. Toffoli se posicionou após o advogado Ricardo Pieri Nunes fazer uma leitura de um artigo de Diogo Castor publicado em um site há alguns dias antes do julgamento. O artigo falava que a Segunda Turma do STF vem ensaiando “novo golpe à Lava Jato”.

“Se os ataques que foram colocados na tribuna (procedem), vou checar, farei e anuncio uma representação ao Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) e à corregedoria do Ministério Público Federal em razão desses ataques do procurador à justiça eleitoral. Não é admissível este tipo de ilação”, disse Toffoli à época.

Um dia depois, na mesma data em que a Corte concluiu o julgamento sobre a competência da Justiça Eleitoral, Toffoli anunciou a abertura de um inquérito criminal para apurar ameaças, ataques e notícias falsas contra ministros do STF. Com relatoria do ministro Alexandre de Moraes, a apuração já teve uma operação de busca e apreensão em endereços de São Paulo e Alagoas.

Na nota em que o MPF anuncia o desligamento de Castor, a força-tarefa Lava Jato em Curitiba informa que já recebeu os reforços da procuradora da República Juliana de Azevedo Santa Rosa Câmara, titular de ofício especializado no Combate à Corrupção na Procuradoria da República no Município em Volta Redonda (RJ), e do procurador da República Alexandre Jabur, integrante do Núcleo de Combate à Corrupção na Procuradoria da República no Amazonas (AM).


Fonte Oficial: Isto É.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!