Açúcar: Demanda no Spot Foi Determinante Para Baixa dos Preços Internos – Investing.com

O Indicador do Açúcar Cristal CEPEA/ESALQ (estado de São Paulo) acumulou alta de 4,18% em março, fechando a R$ 68,84/saca de 50 kg no dia 29. A média mensal foi de R$ 67,93/sc, 0,82% inferior à de fevereiro (R$ 68,49/sc) e 32,36% acima da de março/18 (R$ 51,32/sc), em termos nominais. O Indicador de Açúcar Cristal ESALQ/BVMF – Santos acumulou aumento de 3,56% em março, fechando a R$ 69,31/saca de 50 kg no dia 29. A média mensal deste Indicador foi de R$ 67,98/sc, 0,49% inferior à de fevereiro (R$ 68,32/sc) e quase 30% acima da de março/18 (R$ 52,4/sc), em termos nominais.

Mesmo com a queda na produção de , o preço médio do cristal no spot de São Paulo, no correr da safra 2018/19, foi menor em relação à da temporada 2017/18. No último trimestre da entressafra paulista (de janeiro/19 a março/19), especificamente, a média do Indicador CEPEA/ESALQ (cor Icumsa de 130 a 180, mercado paulista) até esteve superior à observada no mesmo período do ano passado, mas isso não implicou em recuperação da média total da safra. Assim, de abril de 2018 a março de 2019, a média do Indicador foi de R$ 62,67/saca de 50 kg, 7,75% menor que a da safra anterior (de abril/17 a março/18), que foi de R$ 67,94/sc, em termos reais – os valores foram deflacionados pelo IGP-DI base fevereiro/19.

A demanda no spot foi um dos fatores determinantes para o patamar relativamente baixo dos preços internos em 2018/19. Compradores, cientes de uma temporada mais alcooleira, garantiram o consumo do açúcar por meio de contratos antecipados com as usinas, diminuindo a necessidade de aquisições adicionais no spot. O preço do açúcar demerara na Bolsa de Nova York (ICE Futures) também influenciou negativamente os preços no spot brasileiro. De abril/18 a março/19, o primeiro vencimento ficou, em média, na casa dos 12 centavos de por libra-peso, contra 14 centavos de dólar por librapeso de abril/17 a março/18.

Segundo a Unica (União da Indústria de Cana-de-Açúcar), usinas do Centro-Sul processaram 1,59 milhão de toneladas de cana-de-açúcar na primeira metade de março, queda de 53,48% em relação à moagem do mesmo período de 2018 (3,42 milhões de toneladas). No acumulado desde o início da safra 2018/2019 até 16 de março de 2019, a moagem somou 566,05 milhões de toneladas, queda de 3,82% na comparação com o volume apurado no mesmo período do ciclo anterior. A produção de açúcar registrada na primeira quinzena de março atingiu apenas 9,08 mil toneladas, redução de 80,95% frente à quantidade verificada no mesmo período de 2018.

NORDESTE – Em março, o mercado spot de açúcar esteve com a oferta mais concentrada em algumas unidades e os preços seguiram estáveis. Alguns compradores adquiriram o produto de maneira pontual.

Assim, no mês, o Indicador mensal do açúcar cristal CEPEA/ESALQ em Pernambuco teve média de R$ 73,92/sc de 50 kg, queda de 0,16% em comparação com fevereiro e alta de 19,25% frente a março/18, em termos nominais. Em Alagoas, o Indicador mensal foi de R$ 71,75/sc, elevações respectivas de 0,36% em relação a fevereiro e de 13,55% frente a março/18, também em termos nominais.

INTERNACIONAL – Os preços do açúcar na Bolsa de Nova York foram influenciados por fatores macroeconômicos, como o dólar e o . A valorização do dólar frente ao Real pressionou pontualmente os valores do demerara, enquanto a alta do petróleo elevou os preços do açúcar. O Rabobank estimou que a próxima temporada mundial de 2019/20 terá déficit de 4,3 milhões de toneladas, devido a projeções de menor produção na Índia, Tailândia e na União Europeia.

Cálculos do Cepea indicaram que as vendas internas do açúcar remuneraram, em média, 15,34% a mais que as externas em março. Esse cálculo considera o valor médio do Indicador CEPEA/ESALQ e do vencimento Maio/19 do Contrato nº 11 da Bolsa de Nova York, prêmio de qualidade estimado em US$ 63,28/tonelada e custos com elevação e frete de US$53,17/tonelada.

Segundo a Secex, as exportações de açúcar bruto (VHP) totalizaram 955 mil toneladas em março/19, volume 8,9% menor ao de fevereiro/19 (1,048 milhão de toneladas) e 30% inferior ao de março/18 (1,37 milhão de toneladas). Em relação ao açúcar branco, foram exportadas em março 163,8 mil toneladas, volume 7,2% superior ao de fevereiro/19 (152,8 mil toneladas), mas 59,2% menor que o de março/18 (401,6 mil toneladas).

O preço médio do açúcar bruto exportado foi de R$ 1.060,9/t em março, 1,4% maior que fevereiro/19 (R$ 1.046,7/t), mas 0,7% inferior ao de março/18 (R$ 1.068,6/t). Em relação ao açúcar branco, o preço médio foi de R$ 1.425,6/t, altas de 4,8% em relação a janeiro/19 (R$ 1.359,9/t) e de 18,4% em comparação com março/18 (R$ 1.203,8/t), em termos nominais. A receita com a exportação de açúcar foi de R$ 1,24 bilhão em março/19, baixa de 4% frente a fevereiro/19 (R$ 1,3 bilhão) e baixa de 35% em relação a março/18 (R$ 1,9 bilhão).

Séries Estatísticas

 Gráfico

Gráfico

Fonte Oficial: Investing.com.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!