Boi: Preços do Boi Gordo Subiram no Correr de Março – Investing.com

Os preços do boi gordo subiram no correr de março, sustentados pela menor oferta de animais prontos para o abate e também pela demanda firme por novos lotes por parte de frigoríficos. No acumulado do mês, o Indicador do boi gordo ESALQ/B3 teve alta de 4,56%, fechando a R$ 157,05.

Em março, o Indicador teve média de R$ 157,45, sendo a maior nominal desde julho de 2016, quando foi de R$ 155,59. Já em termos reais, ou seja, considerando-se os efeitos da inflação, a média de março é a maior desde janeiro de 2019, quando esteve em R$ 154,13 (valores foram deflacionados pelo IGP-DI de fevereiro/19).

EXPORTAÇÃO – O mercado externo de começa o ano de 2019, como o esperado, apresentando bom desempenho. O volume de carne bovina in natura exportado nos três primeiros meses do ano corrente foi o segundo maior da histórica, atrás apenas do verificado em 2007. A receita em moeda nacional recebida de janeiro a março, por sua vez, foi recorde. E as vendas externas de março contribuíram para que o setor atingisse esse resultado.

De janeiro a março deste ano, foram embarcadas ao exterior 336,4 mil toneladas de carne bovina in natura, 5,44% a mais que em 2018 e apenas 3,69% inferior ao registrado em 2007, segundo dados da Secex.

Quanto à receita, em moeda nacional, somou R$ 4,74 bilhões nesse período, sendo a maior da história e 12,4% acima da do mesmo período do ano passado. Em , o montante somou US$ 1,258 bilhão nos três primeiros meses de 2019, recuo de 3,2% frente ao mesmo período de 2018, devido principalmente à queda do preço médio da carne bovina in natura exportada.

Especificamente em março, o volume exportado somou 118,52 mil toneladas de carne, aumento 2,66% frente ao de fevereiro, mostrando fortalecimento das vendas neste ano. Quando comparado a março de 2018, no entanto, houve recuo de 2,37%, ainda de acordo com a Secex – vale lembrar que esse recuo pode estar relacionado ao fato de março deste ano ter registrado menos dias úteis, por conta do carnaval.

A receita em Reais em março foi de R$ 1,69 bilhão, 5% acima da observada em fevereiro e 7,2% a mais que em março/18. Em dólar, atingiu US$ 441 milhões, alta de 1,77% frente a fevereiro/19, mas 8,44% inferior à de março/18.

Já o preço da carne bovina in natura exportada está em queda, contexto que até limita os ganhos em receita. Em março/19, o preço médio foi de US$ 3.720,8/tonelada, 0,86% inferior ao de fevereiro/19 e 6,21% menor que o de março/18, ainda segundo a Secex. Na média do primeiro trimestre, a tonelada de carne bovina in natura foi vendida a US$ 3.740,7, sendo 8,36% inferior à do mesmo período de 2018 e a menor desde 2010.

PRODUTIVIDADE – Maior produtor de animais do Brasil, o estado de Mato Grosso agora lidera também o ranking da produtividade. Segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), em 2018, a produtividade mato-grossense atingiu 266,36 quilogramas de carne por animal, em média (aqui consideram-se os abates de bois, vacas, novilhos e novilhas), ficando acima da observada em São Paulo que, desde 2012, sustentava o posto de maior produtividade nacional.

No ano passado, ainda de acordo com o IBGE, a produtividade média nacional foi de 249,23 quilos/animal, 0,21% acima da observada em 2017. Assim, a produtividade média mato-grossense em 2018 ficou 6,87% acima da média Brasil. A paulista, por sua vez, ficou 6,65% superior à média brasileira. De 2017 para 2018, enquanto a produtividade de Mato Grosso aumentou 0,1%, a de São Paulo caiu 0,2%.

O crescimento da produtividade em Mato Grosso está atrelado aos implementos de melhores práticas de manejo e de genética e, principalmente, à alimentação abundante. Vale lembrar que o estado é, também, o maior produtor de grãos, favorecendo a atividade pecuária. Esse cenário evidencia que o consórcio da integração lavoura-pecuária contribui efetivamente para a pecuária mato-grossense.

Já a queda na produtividade paulista pode ser reflexo do menor uso de grãos na alimentação animal em parte do ano passado, diante dos elevados custos. Isso pode ter levado pecuaristas a focarem mais na alimentação a pasto.

O terceiro estado mais produtivo de 2018 é Goiás, com 255,97 kg/animal, ou seja cerca de 10 quilos/animal abaixo de Mato Grosso e de São Paulo. Isso mostra que o estado goiano ainda tem muito potencial de crescimento.

 Relação de Troca
 Gráfico

Gráfico

Fonte Oficial: Investing.com.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!