Indicadores do mercado de trabalho da FGV apresentam piora em março

Os dois indicadores da Fundação Getulio Vargas (FGV) que buscam analisar o mercado de trabalho apresentaram piora na passagem de fevereiro para março. O Indicador Antecedente de Emprego (Iaemp) da FGV recuou 5,8 pontos, para 93,5 pontos em uma escala de zero a 200 pontos, o menor patamar desde outubro de 2018.

O Iaemp busca antecipar tendências do mercado de trabalho é calculado com base em entrevistas com empresários da indústria e dos serviços e com consumidores. Segundo o economista da FGV Rodolpho Tobler, o resultado mostra que os empresários estão mais cautelosos após um período de aumento do otimismo.

O Indicador Coincidente de Desemprego (ICD), calculado com base na opinião dos  consumidores sobre o mercado de trabalho atual, piorou 2 pontos em março. O indicador subiu para 94,1 pontos, em uma escala de zero a 200 pontos em que quanto maior a pontuação pior é a avaliação.

Para Tobler, o ICD, em patamar elevado, retrata a situação difícil do mercado de trabalho.

 

Edição: Valéria Aguiar

Fonte Oficial: EBC.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!