PM confirma uma morte em função da chuva no Rio – Isto É

Pelo menos uma pessoa morreu em função do temporal que atinge o Rio de Janeiro desde o início da noite desta segunda-feira (8), segundo informações da Polícia Militar. O corpo foi encontrado na rua Marquês de São Vicente, na Gávea (zona sul), mas até a meia-noite não havia a identificação da vítima nem as circunstâncias da morte. Nas redes sociais, pessoas relataram que se trata de um homem que estava na garupa de uma moto e tentava chegar a uma favela vizinha à Gávea, mas acabou derrubado da moto pela enxurrada.

A chuva também causou o desabamento de mais um trecho da ciclovia Tim Maia, projetada para ligar o Leblon, na zona sul, à Barra da Tijuca, na zona oeste, segundo mostraram imagens divulgadas pela TV Globo e em redes sociais. Mas até a meia-noite esse fato não havia sido confirmado pela prefeitura nem por nenhum outro órgão oficial. A chuva também alagou ruas, derrubou árvores e destruiu carros em vários bairros.

Em entrevista concedida à TV Globo antes da confirmação da morte de uma pessoa em função do temporal, o prefeito Marcelo Crivella (PRB) classificou a chuva como “atípica” e informou ter havido um deslizamento na avenida Niemeyer, que liga o Leblon a São Conrado, na zona sul. A via tinha sido interditada antes e não houve feridos. Crivella elogiou a atuação dos agentes da prefeitura e disse que iriam trabalhar para que o trânsito pela cidade nesta terça-feira não fosse muito impactado. “A gente teve uma chuva forte de 152 milímetros nas últimas quatro horas na Rocinha e 162 milímetros em Copacabana. Essa é uma chuva completamente atípica. A gente sempre tem previsão de chuva forte, mas não assim com esse dobro de intensidade que é a média do mês de abril inteiro”, afirmou o prefeito.

O Rio entrou em estágio de atenção às 18h35 e, às 20h55, passou para o estágio de crise – o mais grave de três níveis de risco, segundo a escala usada pela prefeitura. Segundo a administração, em quatro horas choveu mais do que nos dias 6 e 7 de fevereiro, quando a chuva causou a morte de seis pessoas. Até a meia-noite, a Defesa Civil havia acionado 39 sirenes em 20 comunidades. Bombeiros tinham recorrido a botes para retirar alunos de uma escola na Gávea. Ainda na zona sul, Botafogo e Laranjeiras registraram dezenas de alagamentos. Na zona norte, o rio Maracanã transbordou.

Nas primeiras horas da chuva, o bairro mais afetado era o Jardim Botânico, na zona sul, onde em quatro horas choveu 155,4 milímetros, mais que o esperado em todo o mês de abri (136 milímetros), segundo a prefeitura do Rio. O segundo bairro onde mais havia chovido era o Alto da Boa Vista, na zona norte, onde havia chovido 102,6 milímetros – a média para todo o mês é de 193,8 milímetros. Os outros bairros mais atingidos nessas primeiras horas foram Copacabana, Rocinha (ambos na zona sul) e Tijuca (zona norte).

Ao longo da noite a chuva passou a ser mais intensa na zona oeste. À meia-noite, a chuva mais forte era registrada em Sepetiba e Santa Cruz, dois bairros dessa região. Mas ainda chovia forte em bairros das zonas sul, como a Rocinha e o Vidigal, e norte, como Alto da Boa Vista.

A previsão do sistema Alerta Rio é de que a chuva continue durante esta terça-feira, com intensidade variável.

Fonte Oficial: Isto É.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!