Guedes quer transferir 70% de recursos do pré-sal a Estados e municípios – Exame

Em evento com prefeitos, ministro da Economia afirmou que crise financeira nos Estados não é problema de má gestão e sim “algo sistêmico”

Por Da Redação, com agências

access_time 9 abr 2019, 16h23 – Publicado em 9 abr 2019, 15h51

Brasília – O ministro da Economia, Paulo Guedes, defendeu nesta terça-feira, 9, durante evento com prefeitos em Brasília, que a situação financeira apertada dos entes federativos é “algo sistêmico”. “Se fosse um prefeito apertado e um governador apertado, você diria que seria um caso de má gestão. Mas estão todos apertados”, afirmou Guedes. “Se Estados e municípios estão muito apertados financeiramente, é porque há algo sistêmico”, disse.

Guedes pretende já no ano que vem transferir para Estados e municípios 70% dos recursos que a União arrecadar com o pré-sal. “Minha equipe vai ficar brava porque queriam o repasse maior de recursos do petróleo gradualmente, mas tem que ser agora”, afirmou, durante a Marcha dos Prefeitos, em Brasília.

O ministro disse que a exploração do petróleo trará até US$ 1 trilhão nos próximos 20 anos. Com a promessa de descentralização e maior transferência de recursos, Guedes foi aplaudido de pé ao fim de seu discurso pelos presentes, que gritaram em coro “Paulo Guedes” após a fala do ministro.

O economista defendeu que o repasse de recursos do pré-sal aos entes não precisaria passar pelo Congresso Nacional, mas o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), defendeu a necessidade de uma emenda constitucional para isso.

O ministro voltou a dizer que pretende criar competição na exploração de petróleo e gás e que fará um programa que representará um “choque de energia barata”. “Vamos quebrar monopólio e vamos baixar preço do gás e do petróleo com competição e redução da roubalheira”, afirmou. “O botijão de gás chegará a casa do brasileiro com a metade do preço daqui a dois anos. Hoje o gás no Brasil é mais caro do que nos países que não têm gás por conta de monopólio.”

Guedes lembrou outra iniciativa para ajudar os Estados, o chamado “Plano Mansueto”, que ajudará entes em dificuldade dando aval para antecipar empréstimos. “Vamos ajudar governador a atravessar deserto agora, mas o futuro é o petróleo”, completou.

O chefe da equipe econômica voltou a defender a ideia de que a concentração de recursos no governo federal corrompeu a política e estagnou a economia. Segundo ele, os orçamentos podem até ser formulados em Brasília, mas a execução tem que ser descentralizada. “Execução é com governadores e prefeitos”, afirmou.

O ministrou exemplificou ainda que, em países mais avançados, municípios geralmente cuidam de assuntos ligados à saúde e à educação, enquanto Estados tratam de rodovias. No caso da área de defesa, a responsabilidade é federal. “Tudo que o município pode fazer, ele faz”, afirmou.

Guedes defendeu ainda que nenhum presidente da República pode ter tanto poder. “O poder tem que ser limitado e descentralizado”, disse.

Antes da fala de Guedes, o presidente da Confederação Nacional de Municípios (CNM), Glademir Aroldi, afirmou que o ministro, ao falar do novo pacto federativo, “criou uma expectativa enorme com os prefeitos”.

XXII Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios

XXII Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios (Antonio Cruz/Agência Brasil)

No início de sua fala, Guedes citou o slogan “Mais Brasil, menos Brasília”, que fez parte da campanha do presidente Jair Bolsonaro. Guedes foi aplaudido pelos prefeitos. Ao mesmo tempo, o ministro alertou que iria para São Paulo encontrar um grupo de “10 ou 20 artistas” que querem apoiar a reforma da Previdência.

O ministro participa nesta terça-feira, 9, da 21ª Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios, conhecida como Marcha dos Prefeitos. Pela manhã, estiveram presentes ao evento o presidente Jair Bolsonaro e o presidente da Câmara, deputado federal Rodrigo Maia (DEM-RJ).

 

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!