Se for preciso, decisão sobre diesel pode ser postergada, diz governo – Exame

Em nota, Petrobras admitiu o pedido do presidente Jair Bolsonaro, mas disse que a decisão final foi técnica

Por Estadão Conteúdo

access_time 12 abr 2019, 20h39 – Publicado em 12 abr 2019, 19h37

Brasília — O porta-voz da Presidência, Otávio Rêgo Barros, afirmou nesta sexta-feira, 12, que a reunião do presidente Jair Bolsonaro com o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, e técnicos da empresa na próxima terça-feira, 16, pode levar a uma decisão sobre o preço do diesel. Ele, no entanto, deixou em aberta a possibilidade de que a decisão possa ser postergada se o presidente entender que faltam informações para subsidiar uma decisão.

“A reunião por princípio é para tomar uma decisão, mas se decidir-se por um aprofundamento dos dados, naturalmente não será na terça-feira o resultado”, afirmou o porta-voz. Segundo ele, se o presidente e os técnicos avaliarem que precisam de mais informações, a decisão sobre o diesel pode não ser tomada na terça.

Barros também afirmou que Bolsonaro não irá intervir politicamente nas decisões da Petrobras, mas ressaltou que cabe ao presidente saber como a empresa se baseia para definir os preços dos combustíveis vendidos por ela. A reunião, segundo o porta-voz, tem por finalidade identificar aspectos técnicos da decisão. “Caracteriza a necessidade do dirigente do poder Executivo de identificar quais são os aspectos que levam tecnicamente estas decisões que são tão importantes para a sociedade”, disse.

“Presidente entende que não deve haver interferência política”

“O presidente entende que a Petrobras não deve sofrer interferência política. (…) E realmente não se discutia, se impunha (o preço). Ele não impõe, ele discute e busca informações”, afirmou Barros em entrevista à imprensa. Ele afirmou que Bolsonaro decidiu pedir ao presidente da Petrobras que não reajustasse o preço até que ele pudesse discutir a questão com a equipe técnica da petrolífera na próxima semana.

Questionado sobre se o presidente conversou com o ministro da Economia, Paulo Guedes, antes de entrar em contato com Castello Branco, Barros limitou-se a dizer que Bolsonaro havia conversado com o presidente da estatal.

O porta-voz afirmou ainda que a decisão de Bolsonaro de suspender o reajuste do preço do diesel que a Petrobras havia anunciado não significa que o governo cedeu aos apelos dos caminhoneiros. “O governo não é refém de ninguém”, disse.

Petrobras disse que decisão foi técnica

A Petrobras admitiu que a União pediu esclarecimentos após um anúncio do reajuste em 5,7 %, mas defendeu que a decisão de cancelar a elevação de preço tomada mais tarde foi técnica, segundo comunicado nesta sexta-feira.

A petroleira acrescentou ainda que seu comitê de crise vinha acompanhando “cenário de potencial movimento grevista” por parte de caminhoneiros, insatisfeitos com os custos do combustível.

“Diante do anúncio do reajuste(…) e das ameaças de início de uma nova paralisação, a União alertou para o possível agravamento da situação e solicitou esclarecimentos à Petrobras sobre o reajuste proposto (…) diante desse cenário, a Petrobras decidiu, com base em avaliação técnica, que, por ora, não alteraria o preço do diesel”, explicou a companhia.

Bolsa

O Ibovespa fechou em forte queda nesta sexta-feira, pressionado pelo tombo das ações da Petrobras, que perdeu quase R$ 32 bilhões em valor de mercado. O movimento refletiu preocupações sobre a liberdade operacional da petrolífera de controle estatal após a companhia voltar atrás em decisão sobre aumento do preço do diesel.

Ontem, após o fechamento do pregão, a Petrobras era avaliada em R$ 390,52 bilhões de reais.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!