Líder do governo diz que votar reforma na outra semana “não será derrota” – Exame

Deputados decidiram votar PEC do orçamento em sessão da CCJ nesta segunda-feira, 15, antes de decidir sobre texto da Previdência

Por Estadão Conteúdo

access_time 15 abr 2019, 19h35

Brasília — O líder do governo na Câmara, major Vitor Hugo (PSL-GO), admitiu que há a possibilidade de que a proposta da reforma da Previdência só seja votada pela Comissão de Constituição e Justiça da Câmara na próxima semana. Para ele, no entanto, a postergação da decisão não é uma derrota para o governo.

“Se tivermos que adiar para que haja consenso maior na votação, para que a gente tenha um número mais expressivo para aprovar a admissibilidade, não vai ser por causa de três ou quatro dias que a Previdência vai morrer. Não é o melhor dos mundos, mas também não é uma derrota para o governo”, disse.

Vitor Hugo afirmou que o calendário de votações estabelecido é uma “baliza” e o governo de Jair Bolsonaro está encaminhando bem a questão em comparação com governos anteriores que também se debruçaram sobre mudanças na Previdência.

“PECs que mudaram a Previdência em outros governos demoraram muito mais. A do FHC (Fernando Henrique Cardoso) demorou mais de mil dias e a do Lula (Luiz Inácio Lula da Silva) ultrapassou os cem dias”, disse.

Para ele, a reforma é um tema que merece um “debate extenso, sem açodamento”. “A gente não pode querer modificar algo tão profundo com açodamento, queremos aprovar o mais rápido possível, mas garantindo a discussão, o amadurecimento da proposta”, disse.

Desde o começo da tarde desta segunda-feira, 15, os deputados membros da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) estão reunidos para votar a PEC do Orçamento Impositivo e a constitucionalidade da reforma da Previdência. Como a votação do orçamento foi escolhida como a primeira pauta a ser votada, é provável que a votação do texto da reforma seja adiada para outra sessão.

Depois de ser aprovada pela CCJ, a reforma da Previdência ainda precisa ser aprovada em uma Comissão Especial. Depois disso, poderá ir ao plenário, para votação em dois turnos.

Confusão entre deputados

Após a leitura do relatório e do voto favorável do relator da proposta de emenda constitucional do Orçamento Positivo, deputados agora debatem a matéria na Comissão de Constituição, Cidadania e Justiça.

A deputada Maria do Rosário (PT-RS) fez o que chamou de “reflexão” sobre a matéria. Na sequência, a deputada Talíria Petrone (PSOL-RJ) pediu a palavra. A vice-presidente da CCJ, deputada Bia Kicis (PSL-DF), questionou se ela iria se posicionar contra ou a favor da PEC, mas a deputada disse que queria também apenas fazer uma “reflexão”. Kicis tentou impedir a fala e houve um princípio de confusão, mas foi logo contido.

No início da sessão, havia 17 deputados inscritos para debater a PEC do Orçamento. Petrone é a terceira do dia. Depois do fim do debate, os parlamentares deverão votar a admissibilidade da matéria e, só depois, será iniciada a discussão sobre a reforma da Previdência, o que pode ficar para amanhã.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!