Países da UE votam por iniciar negociações comerciais com EUA – Exame

UE e os EUA chegaram a um acordo em julho do ano passado, quando Trump concordou em suspender a imposição de tarifas sobre os carros da UE

Por Reuters

access_time 15 abr 2019, 09h39

Bruxelas – Os países da União Europeia deram aprovação final nesta segunda-feira para iniciar as negociações formais com os Estados Unidos após meses de atraso devido à resistência francesa.

No final, os governos da UE votaram em sua maioria para aprovar os mandatos de negociação propostos pela Comissão Europeia, com a França votando contra e a Bélgica se abstendo.

A Comissão, que coordena a política comercial para os 28 países-membros da União Europeia, quer iniciar as negociações comerciais em duas vias – uma para cortar as tarifas sobre produtos industriais e outra para facilitar para as empresas apresentarem produtos que atendam aos padrões da UE ou dos EUA.

No entanto, era preciso o apoio dos Estados membros da UE para seguir com o plano.

A União Europeia e os Estados Unidos chegaram a um acordo em julho do ano passado, quando o presidente dos EUA, Donald Trump, concordou em suspender a imposição de tarifas sobre os carros da UE, enquanto os dois lados buscavam melhorar os laços econômicos entre si.

Isso incluía a remoção das tarifas sobre “produtos industriais não automotivos”.

A Comissão disse repetidamente que não discutirá tarifas ou barreiras comerciais a produtos agrícolas, mas está disposta a discutir a situação dos carros, colocando-se em uma possível rota de colisão com Washington.

O governo Trump tem uma extensa lista de desejos, incluindo o acesso amplo ao mercado agrícola europeu.

Diplomatas dizem que a Alemanha, cujas exportações de carros e peças automotivas para os EUA correspondem a mais de metade do total da UE, quer continuar com as negociações para evitar tarifas sobre as montadoras Volkswagen, Daimler e BMW.

A França, que possui pouquíssimas exportações de carros para os EUA, vinha tentando adiar a questão para depois das eleições para o Parlamento Europeu em maio, convencida de que lidar com Trump não é uma causa que vá render muitos votos.

A França insistiu que a questão agrícola não deverá figurar nas negociações, mas que a pauta sobre mudança climática deve permanecer na discussão – uma demanda difícil, dada a retirada de Trump do acordo climático de Paris.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!