UE defende negociações com Mercosul mesmo com Bolsonaro no poder – Exame

Parlamentares da União Europeia tem restrições a visão de Jair Bolsonaro sobre meio ambiente e terras indígenas

Por EFE

access_time 15 abr 2019, 16h16

Bruxelas — A comissária de Comércio da União Europeia (UE), Cecilia Malmström, defendeu nesta segunda-feira a continuidade das negociações do acordo comercial entre o bloco e o Mercosul, depois que alguns deputados do Parlamento Europeu pediram uma pausa no andamento das mesmas devido à chegada de Jair Bolsonaro à presidência no Brasil.

Malmström respondeu a uma carta, cujo conteúdo veio à tona nesta segunda-feira, que foi enviada em 25 de março por 33 deputados do Parlamento Europeu que pediam a paralisação das negociações entre UE e Mercosul por causa da chegada de Bolsonaro ao poder.

Em sua resposta, Malmström disse que a Comissão Europeia – o órgão executivo da UE – não está “negociando com o Brasil de forma bilateral, mas com o Mercosul como uma organização internacional”, que também inclui Argentina, Paraguai e Uruguai.

Malmström lembrou que a comissão está “acompanhando o impacto que podem ter os últimos avanços em relação aos direitos dos indígenas” diante da preocupação dos parlamentares europeus.

Segundo os eurodeputados, “qualquer acordo entre o Mercosul e a UE poderia colocar em perigo territórios indígenas” e contribuir para deixar 4,5 milhões de pequenos camponeses sem acesso a seus terrenos.

Entretanto, a Comissão Europeia acredita que o acordo comercial pode ter uma influência positiva na situação dos indígenas devido a sua “parte política”.

Além disso, os parlamentares europeus afirmaram que um pacto com o Mercosul “nas condições atuais estaria em total contradição com os esforços da UE para conter o avanço do desmatamento e da degradação florestal”.

No entanto, o órgão executivo da UE coloca em dúvida essa questão levantada pelos eurodeputados e a comissária opinou que, apesar das declarações anteriores de Bolsonaro, nas quais ele ameaçou deixar o Acordo de Paris contra a mudança climática, o Ministério de Meio Ambiente do Brasil declarou “várias vezes e de forma pública” que permanecerá no pacto.

“A Comissão não conta com nenhuma indicação de que o Brasil não vai honrar seus acordos ambientais internacionais”, afirmou Malmström.

A comissária frisou que “a UE e o Brasil são parceiros estratégicos com uma longa cooperação e intercâmbios regulares em questões bilaterais e multilaterais, inclusive no comércio, na proteção do meio ambiente e nos direitos humanos”. EFE

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!