Milho: Preços Registraram Expressivas Quedas no Mercado Brasileiro em Março – Investing.com

Em março, os preços de registraram expressivas quedas no mercado brasileiro. A pressão veio do avanço da colheita da safra verão e do bom desenvolvimento da segunda temporada, que, neste caso, tem gerado expectativa de oferta elevada. A menor competitividade do cereal brasileiro no mercado internacional também influenciou as baixas domésticas.

Nesse cenário, demandantes estiveram concentrados apenas em negociações de pequenos lotes, devido à necessidade pontual de repor estoques. Vale ressaltar que compradores adquiriram lotes maiores para entrega no segundo semestre, à espera de preços ainda mais baixos.

Assim, em março, o Indicador ESALQ/BM&FBovespa (Campinas, SP) registrou queda de 9,2%, fechando a R$ 38,43/sc da 60 kg no dia 29. Já a média de março, foi de R$ 39,82/sc de 60 kg, foi 2,6% inferior à média de fevereiro.

Quanto às regiões acompanhadas pelo Cepea, a média mensal caiu 4,5% no mercado de balcão (valor pago ao produtor) e 4,3% no de lotes (negociações entre empresas).

Em relação às comercializações nos portos, estiveram lentas no mercado spot, mas registraram maior ritmo para a embarques no segundo semestre de 2019. Desta forma, os valores no porto Paranaguá (PR) registraram expressivo recuo de 8,9% no acumulado do mês.

Em meio a esse contexto, os embarques de milho se reduziram pela metade entre fevereiro e março de 2019, com 891,9 mil toneladas exportadas no último mês, segundo dados divulgados pela Secex (Secretaria de Comércio Exterior).

INTERNACIONAL – Na CME Group (Bolsa de Chicago), os futuros registraram desvalorização, influenciados pela perspectiva favorável ao início do semeio do milho nos Estados Unidos. Agentes, no entanto, s seguem atentos ao clima. O contrato maio/19 caiu 3,84%, fechando com média de US$ 3,7111/bushel (US$ 146,10/t).

CAMPO – No campo, a semeadura está praticamente concluída em todas as principais regiões acompanhadas pelo Cepea. Com o clima favorável, no geral, o desenvolvimento das lavouras segue de forma satisfatória. No Paraná, 99% da área foi semeada até o dia 2 de abril, segundo o Seab/Deral, e 85% destas lavouras apresentam boas condições, 14%, médias e 1%, ruins.

Quanto à colheita do milho verão, o Deral/Seab sinaliza que 89% da área no Paraná havia sido colhida até o dia 2 de abril. O Departamento sinaliza também que do total das lavouras restantes, 92% estão em fase de maturação e 96% em condições boas.

No Rio Grande do Sul, a Emater indica colheita de 65% do total, contra 59% no mesmo período do ano passado, e 57% na média de 2014 a 2018. Em Mato Grosso, segundo o Imea a semeadura do milho segunda safra foi concluída.

Na Argentina, produtores também têm tido problemas com a elevada umidade dos grãos. No entanto, a colheita vem caminhando de forma satisfatória – até 27 de março, 12,2% do total já havia sido colhido.

Série Estatística

 Gráficos
 Indicador de Milho

Fonte Oficial: Investing.com.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!