“Todo mundo vai falar”, dizem deputados em bate-boca na CCJ – Exame

O presidente do colegiado proibiu que deputados que não são membros da Comissão de Constituição e Justiça pudessem discursar sobre a matéria

Por Estadão Conteúdo

access_time 16 abr 2019, 22h35 – Publicado em 16 abr 2019, 22h05

Brasília – Uma confusão tomou conta do plenário da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara nesta noite devido a uma discussão entre deputados de oposição e o presidente do colegiado Felipe Francischini (PSL-PR) por causa das inscrições de falas de parlamentares que querem discutir a proposta de reforma da Previdência.

Francischini proibiu que deputados que não são membros da CCJ pudessem discursar sobre a matéria. Ele alegou que um acordo havia sido feito entre o governo e a oposição para que apenas 10 deputados que não fazem parte do colegiado pudessem falar a favor da matéria e outros 10, contra.

Integrantes da oposição reagiram e disseram que o alegado acordo não existia. O líder do governo na Casa, major Vitor Hugo (PSL-GO), também afirmou que não houve tal acordo.

Francischini então reiterou que houve o acordo e disse que não iria aceitar pressões. Em reação, deputados bateram com as mãos nas mesas dizendo em coro: “todo mundo vai falar”. Deputados chegaram e pedir para suspender a sessão e muitos deles se aglomeraram ao redor da mesa da Presidência.

O presidente da CCJ disse então que concederia a palavra a quem tivesse se inscrito e que levaria a discussão noite adentro, além das 22h, limite que havia sido estabelecido em um acordo prévio.

“Não adianta eu tentar acelerar e outros querendo atrasar e quem deveria ajudar, não ajuda. Eu vou ficar aqui até o final, não importa se ficarem poucos e se durar mais cinco, seis horas”, disse.

Obstrução

O líder do PSOL, Ivan Valente (SP), informou que a oposição vai obstruir nesta quarta-feira, 17, a votação da proposta de reforma da Previdência CCJ. Segundo ele, a primeira obstrução será não dar quórum para a votação. A oposição aposta que os governistas não conseguirão dar quórum. “São eles (governistas) que têm que dar quórum. Não está claro se o Centrão vai dar quórum”, disse Valente.

Fim da sessão

O líder da maioria na Câmara dos Deputados, Agnaldo Ribeiro (PP-PB), informou que foi fechado um acordo para terminar a sessão desta terça-feira, 16, de debates da proposta de reforma da Previdência às 23h17. A princípio, a sessão terminaria às 22h, mas essa uma hora e 17 minutos a mais seria para compensar o tempo em que o PSOL fez obstrução durante a manhã.

Ribeiro admitiu que pode haver mudanças no texto do parecer apresentado pelo relator, deputado Marcelo Freitas (PSL-MG). “O texto do parecer pode ser modificado, mas conversas ainda estão acontecendo”, disse. Uma nova sessão será aberta nesta quarta-feira para votação, com a possibilidade de mais requerimentos, o que pode prolongar a tramitação.

 

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!