Furnas registra lucro de R$ 1,071 bilhão em 2018

A receita da Rede Básica de Sistemas Existentes (RBSE), que engloba a indenização pelos ativos de transmissão de energia cujas concessões foram renovadas, contribuiu para o lucro líquido de R$ 1,071 bilhão registrado em 2018 por Furnas Centrais Elétricas, subsidiária da Eletrobras. A melhora no fluxo de caixa e a diminuição do endividamento em cerca de R$ 1,5 bilhão foram fatores que também influenciaram no desempenho da companhia. Os dados foram divulgados hoje (17) por Furnas, cuja receita operacional bruta alcançou R$ 9,2 bilhões no ano passado.

A adoção de novo padrão internacional de contabilidade fez a empresa deixar de registrar R$ 832 milhões da receita de seus ativos de transmissão, o que contribuiu para que o lucro líquido apresentado fosse menor que o do ano anterior, de R$ 1,4 bilhão. O montante de recursos resultantes do ingresso da RBSE no caixa da companhia atingiu cerca de R$ 3 bilhões.

Austeridade financeira

Na avaliação do presidente da empresa, Ricardo Medeiros, os números são resultantes da austeridade financeira adotada por Furnas, que contribuiu para a redução de custos. “O programa Orçamento Base Zero, por exemplo, possibilitou economia de R$ 132 milhões”, informou Medeiros. Segundo o diretor de Finanças de Furnas, Jenner Guimarães do Rêgo, a Rede Básica de Sistemas Existentes deve ser usada em investimentos “que possam perenizar a receita da companhia”. Para o diretor, isso significa fazer boas escolhas, em alinhamento com a holding Eletrobras.

A receita de geração apurada cresceu 4,8%, no ano passado, em comparação a 2017, resultado dos novos contratos firmados no ambiente de contratação livre (ACL), além da atualização de contratos de comercialização no ambiente regulado e do aumento da receita de operação e manutenção (O&M) das usinas renovadas pela Lei 12.783/2013, que passou de R$ 845 milhões para pouco mais de R$ 1 bilhão.

Disciplina de capital

Para ampliar a receita nos próximos anos, Furnas pretende adotar como estratégia o projeto Disciplina de Capital, que prevê entre outras ações avaliar o atual modelo do sistema elétrico brasileiro, além de aperfeiçoar a governança dos processos de gestão de recursos e otimizar o controle de orçamento. A meta é tornar mais estável e crescente o fluxo de receita da companhia por meio de investimentos e da adoção de novas formas de comercialização de energia.

As demonstrações financeiras apresentadas hoje por Furnas destacam ainda a redução em R$ 70 milhões da folha de pagamento da empresa com o Plano de Demissão Consensual (ODC); o incremento da receita anual de geração em R$ 120 milhões; a redução de R$ 932 milhões na Receita Operacional Líquida como consequência do aumento na base de apuração de impostos e encargos setoriais, entre outras operações. 

Edição: Juliana Andrade

Fonte Oficial: EBC.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!