Greve dos caminhoneiros pode fazer PIB crescer só 0,77% em 2019 – Exame

Projeção de crescimento menor do PIB é do economista-chefe da Necton, André Perfeito

Por Estadão Conteúdo

access_time 18 abr 2019, 14h39

São Paulo — A lentidão da atividade econômica neste início de ano, frustrando analistas e provocando revisões para baixo das estimativas para o resultado do Produto Interno Bruto (PIB), pode sofrer um golpe adicional, caso os caminhoneiros façam uma paralisação do mesmo alcance da greve do ano passado, avalia o economista-chefe da Necton, André Perfeito.

“O potencial estrago de uma greve dos caminhoneiros no PIB do segundo trimestre poderia levar a economia brasileira a míseros 0,77% de alta neste ano”, indica o economista, em nota a clientes.

A Necton revisou para baixo a projeção de alta do PIB do primeiro trimestre, de 0,28% para 0,15%, o que leva o PIB fechado do ano a uma alta de 1,06%, relata Perfeito. “Para atingirmos 1,06%, projetamos alta de 0,28% no segundo trimestre, seguido de altas de 0,4% e 0,5%, respectivamente”, explica, antes de detalhar o impacto potencial de uma nova paralisação.

“Em 2018, o efeito da greve aconteceu no final de maio, castigando fortemente o PIB industrial”, lembra o economista, citando a desaceleração do PIB, de 0,41% no primeiro trimestre para 0,05% no trimestre seguinte à paralisação. “Assumindo de forma bastante conservadora que o efeito nas Contas Nacionais seja 30% menor do que o registrado em 2018 e que após o choque o PIB volte a crescer, o indicador do segundo trimestre recuaria 0,15% e depois subiria 0,4% e 0,5% (mesmo ritmo do cenário base), o PIB fecha 2019 em 0,77%”, calcula Perfeito.

O economista-chefe da Necton aponta ainda que, por mais que faltem sinais e movimentações mais sérias dos caminhoneiros em relação a uma possível greve, ao menos por ora, “a queda da atividade seria abrupta o suficiente para forçar o BC a cortar os juros já neste ano”.

Aumento de 10 centavos

Nesta quarta-feira, 17, a Petrobras anunciou um aumento de 10 centavos no litro do diesel. O reajuste dividiu a categoria e uma parte dos caminhoneiros defende paralisação. Na última semana, a Petrobras decidiu suspender o aumento do combustível após questionamentos do presidente Jair Bolsonaro.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!