Bolsonaro comentou “em tese” a privatização da Petrobras, diz porta-voz – Exame

Afirmação veio após Bolsonaro comentar à jornalista Natuza Nery que teria uma “simpatia inicial” pela ideia de privatizar a Petrobras

Por Reuters

access_time 18 abr 2019, 19h43 – Publicado em 18 abr 2019, 19h36

Brasília/ Rio de Janeiro — O presidente Jair Bolsonaro comentou “em tese” a possibilidade de avaliar a privatização da Petrobras, disse nesta quinta-feira o porta-voz da Presidência, Otávio Rêgo Barros.

A afirmação veio após Bolsonaro comentar à jornalista Natuza Nery, da Globonews, que teria uma “simpatia inicial” pela ideia de privatizar a Petrobras, durante participação em evento de comemoração pelo Dia do Exército em São Paulo.

“Sim, ele comentou em tese essa possibilidade. Obviamente movimentos como esse exigem muito diálogo e estudos aprofundados nos mais diversos campos do poder”, afirmou o porta-voz da Presidência, em nota, ao ser questionado sobre a fala de Bolsonaro à Globonews.

A nova postura do presidente, que antes já havia negado expressamente a possibilidade de privatizar a petroleira, vem após o ministro da Economia, Paulo Guedes, ter afirmado na véspera, também à Globonews, que Bolsonaro “levantou a sobrancelha” sobre o tema em meio à recente polêmica em torno dos preços do diesel praticados pela companhia, num indicativo de menor resistência à ideia.

Perguntado se o presidente Bolsonaro está mais próximo de concordar com a eventual privatização da Petrobras, Guedes respondeu que não. “Isso seria um salto muito grande.”

O ministro admitiu, porém, que o presidente considerou essa possibilidade para uma “estatal em particular”, sem dar detalhes.

As falas de Bolsonaro e Guedes sobre a Petrobras vêm após a estatal ter cancelado na semana passada um reajuste do diesel depois de uma ligação do presidente ao CEO da estatal, em meio a temores de uma nova greve dos caminhoneiros.

O movimento assustou investidores e levou a uma forte queda nas ações da companhia.

Posteriormente, Bolsonaro e representantes do governo e da Petrobras defenderam a independência da petroleira para definir seus preços, e a companhia anunciou na noite de quinta-feira um reajuste de 4,8 por cento no diesel, próximo dos 5,7 por cento do aumento cancelado anteriormente.

Com a elevação no diesel, as ações preferenciais da Petrobras saltaram 3,18 por cento nesta quinta-feira, recuperando quase totalmente as perdas da semana anterior.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!