Como Portugal virou o jogo, da recessão ao crescimento econômico – Exame

Em 2012, Portugal viu seu PIB encolher 4% e a taxa de desemprego passar de 17%, mas o país se recuperou e gerou empregos nos últimos anos

Por José Roberto Mendonça de Barros e Wesley Paixão Bachiega, economistas da MB Associados

access_time 22 abr 2019, 05h56

A crise da dívida pública que assolou a Europa no final dos anos 2000 trouxe como consequências a adoção de medidas austeras pelos países europeus. Nesse sentido, Portugal, cuja dívida pública ultrapassava 90% do PIB em 2011 (gráfico abaixo), recebeu empréstimo de 78 bilhões de euros, divididos entre o Banco Central Europeu, a Comissão Europeia e o Fundo Monetário Internacional — conhecidos como “troika”. Como contrapartida, a troika exigiu dos portugueses políticas de austeridade.

Entre 2011 e 2014, o governo do então primeiro-ministro conservador, Pedro Passos Coelho, fez cortes drásticos nos gastos com saúde, educação e aposentadorias, aumentou os impostos, ampliou as horas de trabalho do setor público e congelou salários.

Como resultado dessa política, o déficit orçamentário de Portugal caiu de 11,2% do PIB, em 2010, para 7,1%, em 2014 (gráfico abaixo). A conta-corrente, por sua vez, foi superavitária, com a menor demanda doméstica e a indução das empresas para exportarem.

Em maio de 2014, Portugal terminou o pagamento a seus credores e a questão que se colocava era se o país manteria suas duras políticas. Quando Antonio Costa, do Partido Socialista, tomou posse como primeiro-ministro de Portugal em 2015, colocou-se um fim ao período de forte austeridade. Entre suas medidas, o corte de salários ao setor público foi revertido, bem como o tempo de trabalho, as férias e o aumento de impostos. Além disso, elevou o salário mínimo em 20% por 2 anos.

Na época, o déficit orçamentário atingia 4,3% do PIB, ainda acima dos 2,7% acordados com a União Europeia. Por isso, o bloco europeu quase multou Portugal, mas, em 2016, concedeu-lhe um adiamento por um ano para que o país cumprisse o acordo. Desde então, Portugal tem superado suas metas de déficit: no ano passado, atingiu 0,7% do PIB, o menor dos últimos 45 anos, e caminha para algo próximo de zero neste ano.

A dívida pública, que mesmo com as políticas austeras do governo anterior continuou a aumentar e atingiu 130,6% do PIB em 2014, ainda permanece alta, mas está em trajetória descendente. O desemprego, que em 2012 ultrapassou 17%, deixando mais de 40% das pessoas com menos de 25 anos desempregadas, registrou 6,6% em dezembro do ano passado. Por sua vez, os últimos cinco anos foram de crescimento para o PIB português. Os gráficos abaixo ilustram esse cenário.

Assim, o que se configurou foi a percepção de que a mudança de políticas adotadas pelo atual primeiro-ministro é a responsável pelo crescimento econômico de Portugal. É certo que o governo de Antonio Costa se beneficiou da austeridade anterior, bem como do melhor crescimento do mundo naquele momento. Mas o sucesso de uma política depende sempre da correta leitura do momento, e isso Antonio Costa mostrou.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!