Semana Terá Votação da Previdência na CCJ, IPCA-15, Contas Externas e PIB dos EUA – Investing.com

A próxima semana terá como destaques nos mercados financeiros a expectativa com a votação da proposta de reforma da Previdência na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara. A votação do parecer deveria ter ocorrido na semana passada, mas foi barrada pelo Centrão, que além de passar na frente o projeto que torna automática a liberação dos valores das emendas dos parlamentares no chamado orçamento impositivo, ainda exigiu mudanças no texto da Previdência agora, antes de o projeto ir para a comissão especial que vai analisar cada ponto.

Sob pressão dos partidos do Centrão, o governo convocou o secretário da Previdência, Rogerio Marinho, para intervir na articulação política. Com isso, a votação na CCJ foi adiada para o dia 23 e diversos pontos estariam em negociação para ficar de fora da reforma já na primeira comissão, embora nenhum tenha impacto fiscal, segundo a XP Investimentos.

O que o Centrão quer mudar

Entre os pontos que podem mudar agora está a eliminação da exigência futura de que apenas o presidente possa propor alterações em 11 pontos da Previdência, como idade mínima e tempo de contribuição. Também não seria mais facilitada a mudança na idade de aposentadoria compulsória dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). Seria mantida a multa de 40% do FGTS na demissão sem justa causa de aposentados, bem como a regra atual que transfere o julgamento de questões previdenciárias para a Justiça estadual nos locais onde não houver Justiça Federal. Os deputados querem ainda eliminar o parágrafo que veda decisões judiciais e novas leis que ampliem benefícios da seguridade sem fonte de custeio.

Líder resume: base do governo não existe

O governo conseguiu manter a proposta de restringir o abono salarial pelo menos até que o mérito do projeto seja analisado pela comissão especial. Mas o mercado estará atento e novas derrotas e adiamentos terão impacto negativo na bolsa e farão o subir. No fim de semana, o líder do governo na Câmara, deputador Major Vitor Hugo, resumiu bem a atual situação afirmando que falta ao governo uma base. “Ela simplesmente não existe”, disse, tentando justificar os “contratempos” que a articulação política do governo tem enfrentado.

Onyx e a trava de Bolsonaro na Petrobras (SA:)

O mercado estará atento ainda à discussão em torno da greve dos caminhoneiros. Pegou mal a declaração do ministro chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, feita em reunião com lideranças dos caminhoneiros, afirmando que o presidente Jair Bolsonaro “já deu uma trava na Petrobras”, referindo-se à suspensão temporária do reajuste do diesel depois da intervenção do presidente e que provocou forte desgaste da empresa e da equipe econômica. Após todo o esforço do ministro da Economia, Paulo Guedes, em garantir que não haverá intervenção na empresa, a fala do ministro volta a complicar o ambiente. Há também o receio de que o governo não consiga evitar uma nova paralisação dos caminhoneiros. Espera-se alguma medida para tentar evitar o impacto do aumento do diesel, sem prejudicar a Petrobras.

Ibovespa subiu 1,83% na semana; estrangeiro sai

O fechou aos 94.578 pontos na sexta-feira, em alta de 1,39%, acumulando +1,83% na semana, recuperando as perdas provocadas pela intervenção de Bolsonaro na Petrobras e pelo adiamento da reforma a Previdência. Mesmo assim, o índice ainda cai -0,88% no mês, subindo 7,61% no ano e +10,26% em 12 meses. Neste mês, os investidores estrangeiros já tiraram R$ 3,043 bilhões do mercado de ações brasileiro, tornando o saldo no ano negativo em R$ 1,791 bilhão.

O dólar comercial encerrou a semana cotado a R$ 3,9300 para venda, com queda de 0,13% no dia e acumulando alta de 1,08% na semana, +0,36% no mês, +1,42% no ano e +16,27% em 12 meses.

Prévia da inflação oficial deve acelerar

Na área econômica, o destaque da semana que vem será o IPCA-15 de abril, que fecha 15 dias antes e serve de prévia para o IPCA do mês, usado pelo Banco Central (BC) em seu regime de metas. O número sai na quinta-feira. O Banco Fator espera uma aceleração da inflação este mês em relação a abril, para 0,63%, acumulando 4,62% em 12 meses, mas prevê que o avanço dos preços dos alimentos perca força. O Banco Safra estima alta mensal de 0,66% e, em 12 meses, de 4,65%.

Setor externo e crédito

O Fator destaca também na semana as notas do Banco Central à impressa referentes ao setor externo na quinta-feira, com o resultado do balanço de pagamentos, e as operações de crédito de março. O Safra estima um superávit de contas correntes de US$ 100 milhões e um saldo de investimento estrangeiro direto de US$ 7,8 bilhões.

Na sexta-feira, o BC divulga os dados de crédito do mês de março, que trarão novos dados sobre a atividade econômica no primeiro trimestre do lado dos tomadores de empréstimos para consumo nas pessoas físicas e investimento e capital de giro nas empresas.

Arrecadação e emprego

A Arrecadação Federal também será divulgada na próxima semana pela Secretaria do Tesouro Nacional (STN), mas ainda sem dada definida. O Fator espera um saldo de R$ 117,23 bilhões em março, que, se concretizado, significaria alta de 11% em relação a março de 2018. Com isso, a arrecadação acumulada em 12 meses, em termos reais, voltaria ao nível de fevereiro de 2015. Já o Banco Safra estima arrecadação de R$ 110,6 bilhões.

Também sem data definida, sai na semana que vem o saldo de empregos formais divulgado pelo Ministério da Economia no Caged de março. Com a economia patinando neste início de ano por conta das confusões criadas pelo governo e da ampliação da incerteza com a capacidade de Bolsonaro aprovar uma boa reforma da Previdência, o resultado do Caged não deve vir muito positivo.

PIB dos EUA, atividade na Europa e juros no Japão

No calendário internacional, o destaque da próxima semana será a divulgação da primeira prévia do PIB do primeiro trimestre dos Estados Unidos, na sexta-feira. Antes, na quarta-feira, o Banco Central Europeu (BCE) divulga seu Boletim Econômico da zona do euro, e o Banco do Japão (BoJ) faz sua reunião para discutir os juros básicos, hoje negativos, em -0,10% ao ano.

Argentina retoma o tango com o populismo

Mais perto, é preciso ficar de olho na Argentina, onde o presidente Mauricio Macri entrou em campo para a campanha das eleições de outubro, para a qual pesquisas apontam vantagem de Cristina Kirschner, congelando preços de produtos da cesta básica, tarifas administradas, preços de remédios, “enfim, um pacotão populista”, resume o Banco Fator. A inflação em 54% e o desemprego elevado são os maiores cabos eleitorais da oposição, destaca o banco. A economia argentina dá sinais de estar indo ainda pior do que se reavaliou há dois meses.

Fonte Oficial: Investing.com.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!