Produção de alumínio cai 18% em 2018 e tem mínima histórica – Exame

São Paulo — A produção de alumínio primário do Brasil teve em 2018 uma mínima desde a década de 90, quando o setor ainda fazia investimentos em capacidade produtiva, e depende da retomada da produtora de alumina Alunorte, no Pará, para se recuperar em 2019, uma vez que custos de energia pressionam o setor.

Após um sequência declinante a partir de 2008, quando atingiu produção recorde de quase 1,7 milhão de toneladas, o setor ainda sustentou-se entre 2015 e 2017, vindo a registrar recuo anual mais expressivo (17%) em 2018, para 659 mil toneladas, com problemas que atingiram a produção da Alunorte, fornecedora de matéria-prima para a Albras.

A avaliação é da Associação Brasileira do Alumínio (Abal), que divulgou nesta segunda-feira um balanço do segmento e expectativas para 2019.

“Teve muito investimento no fim do século passado, o Brasil chegou a ser o quinto maior, e teve o máximo em 2008. De lá pra cá, teve aumentos expressivos de custo de energia, e alumínio primário é custo de energia mais alumina (matéria-prima)”, disse à Reuters o presidente da Abal, Milton Rego.

A Albras, maior produtora de alumínio primário do Brasil, pertencente à norueguesa Norsk Hydro e à japonesa Nippon Amazon Aluminum, teve a produção afetada após a Alunorte ter sido obrigada a reduzir a fabricação de alumina pela metade por decisão judicial devido a um vazamento em fevereiro de 2018.

Há expectativas de que a Alunorte, maior produtora global de alumina, retome atividades em 2019, com especialistas garantindo que ações tomadas evitariam um novo problema.

Mas para o presidente da Abal é o preço da energia que tem mais pesado no setor, que fechou cinco unidades entre 2011 e 2015, sendo a Alcoa a última a encerrar atividades no país.

Atualmente, além da Albras, apenas a Companhia Brasileira de Alumínio (CBA), do grupo Votorantim, que gera a energia para a unidade, produz o metal no país, segundo a Abal.

A energia elétrica responde por quase 70% do custo de produção do alumínio nacional.

“É um peso brutal, a conta simplesmente não fecha”, disse o dirigente, que tem expectativa de que mudanças sejam implementadas pelo governo para trazer alívio ao segmento.

Para o dirigente da associação, não fosse o desastre com a barragem de minério de ferro da Vale, em Brumadinho (MG), que elevou a cautela para o setor mineral, a Alunorte já teria voltado à capacidade normal.

“A Alunorte já cumpriu tudo o que teria de cumprir, está nas mãos do juiz. É um sentimento equivocado colocar tudo (Brumadinho e Alunorte) como uma coisa só.”

“Com a Alunorte, o setor voltaria a 800 mil toneladas/ano, níveis de 2017, porque basicamente a mesma estrutura industrial está lá.”

Importação

Se a produção de alumínio primário tem caído, a demanda tem crescido, sendo atendida por importações e pela produção de alumínio secundário, oriundo da reciclagem.

No ano passado, o consumo de alumínio no país cresceu cerca de 10 por cento em relação a 2017, a 1,38 milhão de toneladas. Dos setores que usam o metal, os maiores aumentos foram em embalagens, transportes e eletricidade.

Segundo Rego, a demanda por alumínio cresceu acima do PIB do Brasil nos últimos 15 anos, e as importações crescentes deverão novamente preencher a lacuna da produção estagnada em 2019.

Em 2018, as importações de transformados de alumínio (chapas, folhas, etc) somaram quase 200 mil toneladas, aumento de cerca de 40 por cento. Considerando a importação do metal bruto, as compras externas totalizaram 355 mil toneladas.

Ele lamentou as importações crescentes, uma vez que o Brasil tem a terceira maior reserva de bauxita, mineral usado para a produção de alumina.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!