Maia cobra atuação de Bolsonaro em esforço pela reforma da Previdência – Exame

Brasília — Após a reforma da Previdência levar 62 dias para passar em seu primeiro teste, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), deu um recado duro ao presidente Jair Bolsonaro. Maia disse que o governo precisa “fazer política” e assumir a importância da aprovação da reforma da Previdência. O deputado afirmou ainda que o próprio presidente hoje tem uma participação “do lado negativo” e precisa ter clareza de que a proposta é boa para o Brasil.

“O governo se omitiu, basicamente, tirando a participação do Onyx (Lorenzoni, ministro-chefe da Casa Civil) e um pouco a participação do presidente, mas sempre do lado negativo, ‘eu sou contra, mas sei que o Brasil quebra’. Nós queremos que ele (Bolsonaro) entenda que, se ele representa todos os 200 milhões de brasileiros, se ele aprovar a Previdência, ele vai garantir aposentadoria e empregos para os brasileiros”, disse Maia. “Ele (Bolsonaro) precisa ter certeza de que a aprovação da reforma da Previdência é boa para o Brasil, boa para os brasileiros.”

Bolsonaro já disse em algumas ocasiões que, se pudesse, não aprovaria a reforma da Previdência, mas sempre ressalvou que a medida é necessária para o Brasil. O próprio ministro da Economia, Paulo Guedes, reconheceu a investidores em Washington que o presidente não está apaixonado pela reforma.

Maia disse que o governo precisa dialogar e construir uma base de apoio. “O governo não pode ter na base apenas o partido do presidente da República”, avisou. Ele alertou que, numa democracia, o presidente não pode impor suas vontades ao Congresso.

O Congresso, por sua vez, pode até votar sozinho, mas “chega uma hora que precisa do governo”, disse o presidente da Câmara. “É importante que o governo assuma esse papel, essa clareza. Ponha ar dentro do peito e diga ‘a reforma é importante para o Brasil e para os brasileiros’”, afirmou.

Maia advertiu ainda que o governo hoje não tem votos para aprovar nem a reforma da Previdência (que precisa de 308 votos na Câmara), nem qualquer outra proposta polêmica. Para melhorar a articulação, o presidente da Câmara sugeriu a Bolsonaro que seu governo “faça política”.

“Não existe velha ou nova política. Existe política”, disse Maia, que já protagonizou troca de farpas com Bolsonaro justamente após o presidente criticar o que classifica de toma lá da cá dos partidos em troca de votos no Congresso Nacional.

Defensor da reforma da Previdência, Maia disse que a proposta é um primeiro passo para que o País volte a ter espaço no Orçamento para iniciativas sociais.

Comissão especial

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), quer apressar a instalação da comissão especial que vai analisar o mérito da reforma da Previdência, após os atrasos da tramitação na Comissão de Constituição e Justiça e Cidadania (CCJ). O deputado comemorou ontem a aprovação, que ele chamou de “vitória do Brasil” e disse que é de “cada um dos deputados que sabe que sem a reforma o Brasil não vai pra frente”. “Quem votou sim hoje é a favor do pagamento das aposentadorias”, disse.

Maia reconheceu que só foi a primeira das etapas que a reforma precisa vencer no Congresso.”Agora temos 60 dias para organizar a votação na comissão especial e depois no plenário”, disse o deputado, logo após o resultado da votação. O presidente da Câmara voltou a afirmar que o governo vai precisar trabalhar “de forma efetiva” sua base para as próximas fases. Ele disse ainda que muitas vezes é mais importante “o resultado do que o discurso”, um recado para alguns parlamentares inexperientes.

Maia deve se reunir nesta quarta-feira, 24, pela manhã, com lideranças que votaram a favor da reforma para pedir a indicação dos membros que irão compor a comissão especial. Assim que ele tiver o número suficiente de deputados indicados, vai instalar o colegiado. “Gostaria que pudéssemos instalar a comissão na quinta-feira, mas dependo dos líderes”, disse. “Instalar no máximo até próxima terça seria demonstração de responsabilidade.”

Em relação ao relator, Maia disse que o escolhido deve ser algum parlamentar alinhado com o ministro da Economia, Paulo Guedes, e também com o secretário especial da Previdência, Rogério Marinho.

Entre os líderes que irá chamar amanhã para conversar, Maia citou o líder do PSL, Delegado Waldir, o do PP, Arthur Lira e o do PR, Wellington Roberto. “Arthur Lira hoje foi muito importante (para votação na CCJ)”, disse.

Oposição vai à Justiça

A líder da minoria na Câmara, Jandira Feghali (PCdoB-RJ), afirmou que a oposição vai tentar judicializar a sessão da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania(CCJ), realizada na terça-feira, 23, que aprovou a admissibilidade da reforma da Previdência.

Logo após a votação, Feghali afirmou que os partidos que compõem a oposição estão entrando com um mandado de segurança para sustar a sessão. “Não é possível continuarmos debater uma matéria sem os dados que embasem”, disse. “A batalha continua. Esse foi o primeiro ciclo”, afirmou a deputada. A líder disse não acreditar que a matéria será votada na comissão especial ainda no primeiro semestre.

O líder da oposição na Câmara, Alessandro Molon (PSB-RJ), reforçou o discurso. “Vamos à Justiça e estamos aguardando. Esperamos que a votação seja considerada nula”, afirmou.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!