Algodão: Preços Oscilaram Pouco Entre Meados de Janeiro e o Final de Março – Investing.com

MERCADO INTERNO – Os preços do algodão apresentaram poucas oscilações de meados de janeiro até o final de março. De lá para cá, o Indicador CEPEA/ESALQ, com pagamento em 8 dias, operou com mínima de R$ 2,9054/libra-peso e máxima de R$ 2,9536/lp, ou seja, diferença de apenas cinco centavos/lb. Como comparação, no mesmo período do ano passado, a oscilação foi de 22 centavos/lb.

Esse cenário esteve atrelado ao fraco ritmo de comercialização da pluma. As disparidades de preço e de qualidade dos lotes disponibilizados permaneceram limitando os fechamentos entre os agentes ativos e também resultando em pequenas oscilações. As queixas quanto à qualidade dos lotes ofertados continuaram e estiveram especialmente relacionadas aos tipos inferiores, cor ou outras características intrínsecas (como fibra, micronaire e resistência).

Assim, entre 28 de fevereiro e 29 de março, o Indicador do algodão em pluma CEPEA/ESALQ, com pagamento em 8 dias, acumulou elevação de apenas 0,1%, – a menor variação mensal desde dezembro/18. A média de março, de R$ 2,9262/lp, ficou 0,27% inferior à de fevereiro/19 e 8,58% abaixo da de março/18, em termos reais (valores atualizados pelo IGP-DI de fevereiro/19).

Algumas empresas se mostraram abastecidas em março, trabalhando com o produto estocado e/ou de contratos firmados anteriormente. Com isso, parte dos demandantes teve interesse por novas aquisições apenas para embarque futuro, inclusive para o primeiro semestre deste ano. Comerciantes estiveram ativos para compras, no intuito de cumprir com as programações e na tentativa de negócios “casados”.

Cotonicultores, com boa parte da safra 2017/18 comprometida, estiveram com as atenções voltadas aos embarques dos contratos firmados anteriormente e ao desenvolvimento da lavoura da próxima safra.

PRODUÇÃO – De acordo com dados da Conab, a área nacional da safra 2018/19 deve ser de 1,569 milhão de hectares, aumento de 33,6% frente à anterior. Mesmo com a produtividade média podendo recuar 3,9%, indo para 1.641 kg/ha na safra 2018/19, a produção brasileira está projetada em 2,575 milhões de toneladas, forte aumento de 28,4% frente à temporada 2017/18. Em Mato Grosso, a temporada 2018/19 deve somar 1,726 milhão de toneladas, 33,8% maior que a anterior, impulsionada pelo crescimento da área semeada (+35,3%). Na Bahia, a área semeada deve ser de 332 mil hectares na temporada 2018/19 (+25,9%) e produção poderá atingir 547,8 mil toneladas, elevação de 9,9% na comparação com a anterior.

Os fortalecimentos dos preços internacionais e do frente ao Real fizeram com que agentes se voltassem para as safras 2018/19 e 2019/20, efetivando vários contratos para os mercados externo e doméstico. Em março, os preços internos estiveram apenas 5,1% acima dos da paridade de exportação – a paridade subiu 12,82% e o dólar, 4,4%. As fixações de contratos foram realizadas em Real, dólar, na Bolsa de Nova York (ICE Futures) e também no Indicador CEPEA/ESALQ.

De acordo com dados da BBM (Bolsa Brasileira de Mercadorias) tabulados pelo Cepea, 69,3% da safra brasileira 2017/18, estimada em 2,005 milhões de toneladas, teria sido comercializada até o dia 29 de março. Deste total, 57,8% foram direcionados ao mercado interno, 31,2%, ao externo e 11%, para contratos flex (exportação com opção para mercado interno). Para a próxima temporada, dados indicam que ao menos 23,9% da produção de 2018/19 (projetada em 2,575 milhões de toneladas pela Conab) foi comercializada no mesmo período, sendo 47,3% ao mercado doméstico, 28,3%, para exportação e 24,4%, para contratos flex.

Dados do Cepea captados em março/19 indicam que as negociações para embarque ao mercado externo no segundo semestre de 2019 (do produto a ser colhido na temporada 2018/19) tiveram média de US$ 0,7656/lp, ficando 3,8% acima do registrado em fevereiro/19 (US$ 0,7376/lp). Para exportação envolvendo a pluma da temporada 2019/20, a média das informações captadas para o segundo semestre de 2020 foi de US$ 0,7753/lp no mesmo período, alta de 5,01% frente à do mês anterior (US$ 0,7383/lp). Vale considerar que, para a comercialização no curto prazo, a média de US$ 0,7686/lp esteve 4,26% maior que a de fevereiro/19, ainda referente à pluma da temporada 2017/18.

EXPORTAÇÃO – Em março, segundo dados da Secex, foram embarcadas 97,6 mil toneladas da pluma, 11,1% superior ao volume de fevereiro/19 (de 87,9 mil toneladas) e expressivamente acima das 47,1 mil toneladas de março/18 (+107,1%). O faturamento foi de US$ 166,2 milhões, 11,1% maior que o de fevereiro/19 e duas vezes acima do de março/18 (US$ 82,2 milhões). Quanto ao preço médio, de US$ 0,7721/lp em março, ficou estável frente ao mês anterior, mas recuou 2,3% em relação ao mesmo período do ano passado.

IMPORTAÇÃO – A Secex aponta que as importações somaram 148,7 toneladas em março/19, elevação de 35,2% no comparativo com o mês anterior, mas 89,2% inferior ao de março/18. O preço médio de importação foi de US$ 1,4965/lp em março/19, ligeira alta de 0,1% se comparado ao do mês anterior, mas alta de 46,3% sobre o de um ano atrás.

INTERNACIONAL – De 28 de fevereiro a 29 de março de 2019, a paridade de exportação na condição FAS (Free Alongside Ship), porto de Paranaguá (PR), aumentou expressivos 12,82%, impulsionada pela alta de 7,74% do Índice Cotlook A (referente à pluma posta no Extremo Oriente) e da elevação de 4,4% do dólar frente ao Real. A média mensal da paridade foi de R$ 2,7886/lp, aumento de 6,64% em relação à do mês anterior e 7,1% superior à de março/18 (R$ 2,6040/lp). No mesmo período, a média do Índice Cotlook A subiu 2,77%, com o dólar se valorizando 3,28% frente à de fevereiro/19 e expressivos 17,3% em relação a março/18.

Na Bolsa de Nova York, todos os contratos registraram alta em março, impulsionados pelo bom desempenho das exportações, pelo enfraquecimento do dólar no mercado internacional, que torna a fibra norte-americana mais atraente, e pela alta no preço do , que diminui a competividade da fibra sintética e estimula a demanda pelo algodão. Além disso, a projeção de área menor nos Estados Unidos também influenciou o movimento altista. Assim, entre 28 de fevereiro e 29 de março, o vencimento Maio/19 aumentou 6,58%, fechando a US$ 0,7761/lp, e Jul/19, 5,84% (US$ 0,7831/lp). O contrato Out/19 se valorizou 3,07% (US$ 0,7598/lp) e o Dez/19, 2,95%, a US$ 0,7544/lp.

Segundo dados divulgados pelo USDA na sexta-feira, 29, a intenção de semeadura nos Estados Unidos para a o ano-safra 2019/20 é de 5,58 milhões de hectares, 2,3% inferior à área cultivada em 2018/19 (5,71 milhões de hectares), mas ainda 8,3% acima da semeada na temporada 2017/18 (5,15 milhões de hectares) e a maior desde a safra 2010/11.

Relatório do USDA, divulgado no dia 8 de março, levantou ligeiramente a produção mundial 2018/19 frente ao mês anterior, para 25,9 milhões de toneladas, mas comparada à safra anterior o volume está 3,9% inferior – com menores produções na Índia e Estados Unidos. O consumo global poderá ser de 26,9 milhões de toneladas, volume 0,8% maior que o da temporada 2017/18, com leve aumento na Índia, Bangladesh e Vietnã. Assim, o estoque mundial 2018/19 foi rebaixado, em 6,2%, indo para 16,56 milhões de toneladas. Quanto ao comércio global, está previsto crescimento de 3,1%, ficando em 9,18 milhões de toneladas.

Dados do Icac (Comitê Internacional do Algodão), divulgados no dia 1º de abril, aponta que a produção mundial na safra 2019/20 poderá atingir as 26,7 milhões de toneladas, impulsionada pela produtividade média. Apesar dos desafios da indústria global, como desaceleração do crescimento econômico e enfraquecimento da demanda mundial, o consumo está estimado em 27,3 milhões de toneladas – um recorde mundial. O estoque global poderá ficar em 17,7 milhões de toneladas.

CAROÇO DE ALGODÃO – O mercado esteve com baixa liquidez no spot ao longo de março. Vendedores elevaram os valores de suas ofertas, devido à baixa disponibilidade do produto da safra 2017/18, enquanto compradores com necessidade imediata tiveram que ceder nos preços. Do lado das indústrias, boa parte utilizou o produto já adquirido anteriormente e seguiram com os embarques dos derivados já programado, como óleo, torta e farelo de algodão.

Segundo informações captadas pelo Cepea, o preço médio do caroço no mercado spot em março/19 foi de R$ 556,17/t em Primavera do Leste (MT), 11,4% superior ao de fevereiro/19. Em Campo Novo do Parecis (MT), a alta foi de 23,5% e em Lucas do Rio Verde (MT), de 22,2%.

Em março/19, de acordo com dados da Secex, a exportação de caroço de algodão (descrito como sementes de algodão, exceto para semeadura) totalizou 4,07 mil toneladas, elevação de 7,2% se comparada à de fevereiro/19 (3,8 mil toneladas) e oito vezes mais que o volume de março/18 (de apenas 503 toneladas). Do total embarcado, em março, 2,4 mil toneladas tiveram como destino a Coréia do Sul e 1,7 mil toneladas, o Japão. No primeiro trimestre de 2019, já foram embarcadas 14,2 mil toneladas de caroço de algodão, enquanto no mesmo período de 2018, o volume exportado foi de apenas 3,8 mil toneladas.

Fonte Oficial: Investing.com.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!