Araújo destaca potencial do Brasil e da China na produção de alimentos

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, defendeu hoje (25) atuação conjunta do Brasil e da China na promoção de “facilitações recíprocas” do ponto de vista comercial, de negócios e de investimentos, de forma a se prepararem para um cenário no qual, até 2050, a produção agrícola mundial terá de aumentar 70%.

“Temos aqui potencialmente o maior exportador e o maior importador agrícola do mundo. Isso, por si, cria um vínculo real e potencial extraordinário”, disse o ministro na abertura do seminário Agro em Questão: China e Brasil – Agricultura e Biotecnologia, na Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em Brasília.

Araújo citou estatísticas da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), segundo as quais a produção agrícola global precisa aumentar 70% até 2050, para atender à demanda global por alimentos.

“Provavelmente boa parte dessa demanda terá como origem a China. E o Brasil tem vocação e responsabilidade óbvia de ser um ator decisivo no atendimento a essa demanda. Portanto, a parceria com a China tem de desempenhar papel fundamental pela característica básica: o Brasil como potencialmente a maior potência agrícola do mundo, e a China como o maior importador. E, pela sua população, [a China] como o país mais afetado pelo tema da segurança alimentar”, afirmou.

Segundo o chanceler brasileiro, o aumento da produção agrícola terá de vir por inovações que tragam aumento na produtividade. “O Brasil entende que o uso e o fomento da biotecnologia são cruciais para atender a essa expansão da demanda mundial, que será fundamental até para a estabilidade da comunidade internacional ao longo das próximas décadas”, disse Araújo, ao apontar a biotecnologia como ferramenta fundamental para a diminuição dos custos, bem como para o atendimento a essa demanda.

Nas últimas duas décadas, o lucro total advindo das organismos geneticamente modificados (OGMs) chegou a R$ 35 bilhões. Araújo disse que, na safra 2017/2018, o lucro por hectare de soja geneticamente modificada foi 13% superior ao da variedade convencional. No caso do algodão, ficou em 12% e, no do milho, 29%, chegando em alguns casos a 124%.

“A China pode ter no Brasil um grande parceiro para sua segurança alimentar, enquanto o Brasil pode e tem na China um grande parceiro para o crescimento de toda a sua economia”, resumiu o ministro.

Araújo, no entanto, apontou alguns entraves chineses que têm dificultado uma maior aproximação comercial entre os dois países. “Os problemas na adoção de procedimentos técnicos e burocráticos por parte da China têm, em muitos momentos, prejudicado a expansão e a diversificação dos negócios”, disse.

Ele lembrou que o governo brasileiro reiteradamente vem propondo que as abordagens regulatórias necessárias para garantir a segurança alimentar em relação a produtos derivados da biotecnologia devem ser baseadas cientificamente, mediante análise de risco e embasados em processos transparentes, previsíveis, consistentes com as obrigações do comércio internacional.

Nesse sentido, acrescentou o chanceler brasileiro, o setor privado só pode usar efetivamente novas tecnologias aprovadas pelo governo brasileiro após autorização de importação pelo Comitê de Biossegurança da China. “Portanto, é necessário que haja uma sincronia maior entre a aprovação das OGMs no Brasil e o governo chinês”, concluiu.

A China é o maior parceiro comercial do Brasil desde 2009. É também o principal mercado para as exportações agropecuárias brasileiras e destino de 38% das vendas totais do setor.

Também presente no seminário, o embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, lembrou que o Brasil foi o primeiro país em desenvolvimento a estabelecer parceria estratégica com a china.

“O total do investimento chinês no Brasil supera US$ 70 bilhões. Além disso, há interesse de grandes empresas chinesas em investir mais US$ 35 bilhões em agricultura e infraestrutura”, disse o embaixador chinês.

Segundo Wanming, tem-se notado uma mudança de hábito entre os chineses, o que abrirá ainda mais espaço para os produtos agropecuários brasileiros nos próximos anos.

De acordo com o presidente da CNA, João Martins, “a China precisa estar no topo de nossa diplomacia”, uma vez que o país asiático apresenta um “mercado enorme, com uma população enorme e com grandes demandas”.

Edição: Nádia Franco

Fonte Oficial: EBC.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!