Governo não pode ceder em abono e idade mínima, diz Fabio Giambiagi – Exame

Começa fase mais crítica para a tramitação da reforma da Previdência no Congresso; especialista comenta o que pode e o que não pode sair

access_time 25 abr 2019, 18h32 – Publicado em 25 abr 2019, 18h31

São Paulo – A reforma da Previdência passou por dois marcos nesta quinta-feira (25), com a instalação da comissão especial no Congresso e a divulgação de uma nova estimativa oficial de economia com a medida.

A expectativa é que os próximos meses de tramitação sejam marcados por um enfraquecimento do texto que reduza significativamente o ganho fiscal estimado em R$ 1,2 trilhão em 10 anos.

Para o economista Fabio Giambiagi, um dos maiores especialistas em Previdência do Brasil, há espaço para o governo fazer concessões, mas é muito importante que elas sejam limitadas.

Inegociáveis

“O governo precisará ser rígido, principalmente, em relação à idade mínima e a questão do abono salarial”, afirma Giambiagi.

O fim da possibilidade do brasileiro se aposentar por tempo de contribuição proporcionaria uma economia de R$ 432,9 bilhões em dez anos.

Hoje, o brasileiro que comprovar ter contribuído para a Previdência por 35 anos, se homem, ou 30 anos, se mulher, já pode pedir a aposentadoria.

A proposta do governo é que essa possibilidade seja eliminada e que seja criada uma idade mínima para aposentadoria de 62 para as mulheres e 65 anos para os homens com uma transição de 14 anos.

Já o abono salarial é hoje um direito do trabalhador formal quem ganha até dois salários mínimos. A “focalização” proposta pelo governo restringiria o benefício apenas para quem ganha um salário mínimo.

A economia que essa mudança na regra traria aos cofres públicos é calculada pelo governo em R$ 169,9 bilhões em 10 anos.

Negociáveis

“Na minha opinião, há espaço para negociar no seguintes pontos: BPC, que, no limite, será totalmente eliminado da lista de mudanças dessa reforma, e a idade mínima na aposentadoria rural”, diz Giambiagi.

O Benefício de Prestação Continuada (BPC), é um dos pontos mais polêmicos da proposta de reforma. Hoje, é pago um salário mínimo pago para idosos e deficientes que comprovem não ter renda para se sustentar.

A proposta do governo é que seja pago um benefício de R$ 400 a partir dos 60 anos com aumento gradual até atingir um salário mínimo aos 70 anos.

O ganho fiscal que a alteração nessa regra traria em dez anos é de R$ 35 bilhões, considerada baixa pelo economista.

Um cálculo feito pelo Itaú chegou à conclusão de que a mudança no sistema não traz economia pro governo, pelo contrário: geraria um custo fiscal de R$ 10 bilhões ao longo de uma década.

Em relação à aposentadoria rural, a proposta do governo é que tanto homens quanto mulheres que trabalham no campo possam se aposentar com idade mínima de 60 anos. A medida traria uma economia de R$ 66,4 bilhões em dez anos.

Hoje, o morador de área rural pode pedir o benefício aos 60 anos, no caso de homens, e 55 anos, no caso de mulheres, cumpridos os 15 anos de contribuição mínima.

“Há formas inteligentes de negociações alternativas sem comprometer o efeito fiscal almejado. Poderia ser uma alternativa aumentar a idade mínima dos homens e reduzir a das mulheres, por exemplo”, diz.

Outro ponto que governo provavelmente terá de abrir mão é a capitalização, já que não tem impacto fiscal e também causa resistência entre os parlamentares.

Fábio também vê margem para modificações nas alíquotas dos servidores, já que a reforma prevê um novo sistema mais progressivo.

“As alíquotas, o governo pode mexer um pouco para baixo, mantendo um ganho com arrecadação, mas diminuindo a judicialização”, explica o economista.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!