PF prende 26 por comércio ilegal de madeira na Amazônia – Isto É

A Polícia Federal, com apoio do Ministério Público Federal, deflagrou nesta quinta-feira, 25, a Operação Arquimedes contra um esquema de corrupção na extração ilegal de madeira na floresta amazônica. A PF prendeu 26 suspeitos, entre eles o ex-superintendente do Ibama no Amazonas, José Leland Juvêncio Barroso, sob suspeita de liberar carregamento de 400 contêineres com madeira apreendida.

A PF e a Procuradoria suspeitam que os próprios setores responsáveis pela fiscalização e combate ao desmatamento facilitavam os movimentos da organização criminosa.

Segundo a investigação, agentes do Ibama, fiscais e técnicos do Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas exigiam propinas de empresários da madeira estabelecidos na região.

A PF informou que a operação marca o início da utilização de uma ferramenta tecnológica de imagens de satélite que possibilita identificar “novos focos” de desmatamentos quase que diariamente, o que resultou numa melhor fiscalização e no aumento das ações de campo.

A Arquimedes investiga a corrupção entre servidores de órgão ambiental estadual, engenheiros ambientais, detentores de planos de manejo e proprietários de empresas madeireiras.

A PF atua em duas frentes de investigação criminal por meio de dois inquéritos policiais: a primeira, sobre a extração, exploração e comércio ilegais de madeira, e, a segunda, sobre a corrupção entre servidores de órgão ambiental estadual, engenheiros ambientais, detentores de planos de manejo e proprietários de empresas madeireiras.

Foram expedidos 23 mandados de prisão preventiva, seis de prisão temporária, 109 ordens de busca e apreensão cumpridos nos estados do Acre, Amazonas, de Minas, de Mato Grosso, do Paraná, de Rondônia, de Roraima e de São Paulo e no Distrito Federal.

A Justiça também autorizou o bloqueio de R$ 50 milhões nos CNPJs das empresas investigadas e outras 18 medidas cautelares.

A operação já apreendeu em dezembro de 2017 mais de 400 contêineres no porto em Manaus, contendo aproximadamente 8.000 m³ de madeira em tora com documentação irregular, que pertenciam a mais de 60 empresas de madeira.

A madeira tinha como destino o mercado doméstico e internacional, sendo 140 contêineres destinados à exportação para países da Europa, Ásia e América do Norte.

Os investigados responderão, dentro das suas condutas, pelos crimes de falsidade ideológica no sistema DOF, falsidade documental nos processos de concessão e fiscalização de PMFS (Plano de Manejo Florestal Sustentável), extração e comércio ilegal de madeira, lavagem de bens, direitos e valores, corrupção ativa e passiva e de constituição de organização criminosa.

Com a palavra, O Ibama/Amazonas

A reportagem fez contato com a superintendência do Ibama no Amazonas. O espaço está aberto para manifestação.

Com a palavra, o ex-superintendente do Ibama

A reportagem tenta localizar a defesa de José Leland Barroso. O espaço está aberto para manifestação.


Fonte Oficial: Isto É.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!