Governo Central registra segundo maior déficit para meses de março

O pagamento do abono salarial e de sentenças judiciais e precatórios fez o Governo Central (Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central) registrar o segundo pior resultado para meses de março desde o início da série histórica, em 1997. No mês passado, o déficit primário somou R$ 21,108 bilhões, só perdendo para março de 2018 (R$ 24,495 bilhões).

O déficit primário é o resultado negativo nas contas públicas desconsiderando o pagamento de juros da dívida pública. O resultado veio um pouco acima das expectativas dos analistas de mercado. Na pesquisa Prisma Fiscal, divulgada todo mês pelo Ministério da Economia, as instituições financeiras estimavam déficit primário de R$ 20,2 bilhões para março.

Nos três primeiros meses do ano, o Governo Central acumula déficit de R$ 9,307 bilhões. Esse é o melhor resultado para o período desde 2015 (superávit de R$ 3,678 bilhões). O Tesouro prevê que fechará 2019 com déficit primário de R$ 139 bilhões. No fim de março, o governo teve de contingenciar (bloquear) R$ 29 bilhões do Orçamento para atingir essa meta.

Em março, as receitas foram influenciadas porque o Tesouro recebeu dividendos de R$ 1,1 bilhão do Banco do Brasil (BB) e R$ 1,8 bilhão da Caixa Econômica, contra o recebimento de R$ 497,6 milhões de dividendos do BB no mesmo mês do ano passado. As despesas discricionárias (não obrigatórias) caíram R$ 4,5 bilhões (39,5%) em relação a março de 2018. Segundo o Tesouro, na maioria dos casos, a verba já estava liberada, mas não chegou a ser executada, num processo chamado de empoçamento.

No acumulado do ano, o ajuste fiscal está ocorrendo pelo lado dos gastos. Até março, as receitas líquidas ficaram estáveis, subindo apenas 0,1% acima da inflação oficial pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). As despesas totais acumulam queda de 1,2% também descontando a inflação.

A Previdência Social registrou déficit de R$ 49,313 bilhões de janeiro a março, valor um pouco menor que o do mesmo período do ano passado (-R$ 51,482 bilhões). O déficit foi parcialmente compensado pelo superávit de R$ 36,577 bilhões do Tesouro Nacional e do Banco Central, resultando no déficit primário de R$ 9,307 bilhões.

Em relação às despesas, os gastos de custeio (manutenção da máquina pública) caíram 7,2% no primeiro trimestre descontada a inflação. As despesas com a Previdência Social subiram 2,6%, e os gastos com o funcionalismo federal subiram 0,1%, descontado o IPCA.

O maior recuo, no entanto, foi registrado nos investimentos federais (obras públicas e compra de equipamentos), que somaram R$ 6,201 bilhões de janeiro a março, com queda de 30,2% em relação ao mesmo período do ano passado, descontada a inflação.

O Tesouro voltou a divulgar as estatísticas do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). No primeiro trimestre, o programa executou R$ 3,381 bilhões, com retração de 10,9% em valores corrigidos pelo IPCA.

Edição: Lílian Beraldo

Fonte Oficial: EBC.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!