Semana Terá Manifestações de 1º de Maio, IGP-M, Produção Industrial, Payroll e Fed – Investing.com

A semana de virada de mês promete muitos dados econômicos e agitação política, apesar do feriado na quarta-feira, Dia do Trabalhador. As comemorações do Primeiro de Maio devem ter como destaque a reforma da Previdência, em discussão no Congresso, e podem mostrar a força dos movimentos sindicais e sua articulação contra as mudanças de direitos. Apesar de os movimentos sindicais estarem enfraquecidos pela retração econômica e mudanças no imposto sindical, ainda podem pressionar muitas lideranças no Congresso.

Além disso, na Câmara dos Deputados, o presidente da Comissão Especial que vai analisar a reforma, deputado Marcelo Ramos (PR-AM), vai se reunir com lideranças para discutir o calendário das discussões e pode definir a divisão da proposta em sub-relatorias. Ex-comunista e hoje integrante do Centrão, Ramos já disse que alguns pontos da reforma já estão “quase natimortos”, citando a mudança nos Benefícios de Prestação Continuada (BCP, que garante um salário mínimo para idosos em situação de miséria), as alterações na aposentadoria rural e o sistema de capitalização.

Resultados de Santander (SA:), Itaú, Gol (SA:) e outros

Continua nesta semana a safra de balanços do primeiro trimestre. Na segunda-feira, saem os números da Ecorodovias (SA:), Banco Inter (SA:), Movida (SA:), Multiplan (SA:), RaiaDrogasil, Smiles (SA:), Transmissão Paulista (SA:), CCR (SA:) e Santander. Na terça-feira, Gol divulga seu resultado.

Quinta-feira o Itaú Unibanco (SA:) anuncia seus números, assim como o IRB Brasil (SA:), Klabin (SA:), Odontoprev (SA:) e Linx (SA:). Na sexta-feira, saem os balanços da Enel (MI:), Porto Seguro (SA:) e Tegma (SA:).

O mercado deve também repercutir as mudanças no programa de venda de ativos da Petrobras (SA:), anunciadas sexta-feira à noite, após o fechamento do mercado. A empresa anunciou que vai vender 8 refinarias e mais uma parte das ações da BR Distribuidora (SA:).

IGP-M, que corrige o aluguel, deve desacelerar

Na área econômica, a semana já começa com dados de inflação , com o IGP-M de abril, índice que corrige contratos de longo prazo, como aluguéis. Segundo a Rosenberg Associados, o IGP-M deve subir 0,80%, desacelerando em relação à taxa de 1,26% de março. Na comparação em 12 meses, o indicado deve passar de 8,27% para 8,51%. O destaque de abril deve ser o arrefecimento dos preços no atacado, o IPA-M, por conta dos grãos e alimentos in natura. Na contramão, o IPC-M deve acelerar por conta a alta dos combustíveis.

Dados do Governo Central

Também na segunda, saem os dados fiscais do Governo Central (Tesouro, Banco Central e Previdência) relativos a março. A Fundação Getulio Vargas (FGV) anuncia sua Sondagem da Indústria de abril, que pode mostrar uma economia ainda fraca neste início de ano. O pessimismo também deve continuar nos dados do Relatório Focus, que o Banco Central divulga semanalmente, com as projeções do mercado para os principais indicadores econômicos.

Emprego no primeiro trimestre

Na terça, o IBGE divulga a Pesquisa Nacional por Amostra em Domicílio (Pnad) Contínua de março. Para a Rosenberg, a taxa de desemprego deve subir, para 13%, ante 12,4% no trimestre encerrado em fevereiro. Para a consultoria, a taxa de desocupação no primeiro trimestre, em linha com os dados do Caged e da atividade como um todo, deve ter ficado apenas 0,1 ponto percentual abaixo da observada no mesmo trimestre do ano passado, mostrando uma recuperação ainda mais lenta e gradual do mercado de trabalho.

Contas públicas completas

Também na terça-feira, o BC divulga o Resultado Fiscal Consolidado de março, com os números do Governo Central e mais os de Estados e municípios e estatais. Segundo a Rosenberg, o número de março é sazonalmente deficitário. A consultoria projeta um déficit de R$ 21 bilhões para o Governo Central em março, divulgado pelo Tesouro Nacional, pouco menor do que o registrado neste mesmo mês do ano passado (de R$ 24,5 bi, descontada a inflação). O avanço da despesa e o desempenho mais fraco da receita devem explicar este resultado. Divulgado pelo Banco Central e envolvendo os demais entes da federação, o resultado fiscal consolidado deve registrar déficit de R$ 22 bilhões em março.

O BC divulga ainda a dívida líquida do setor público de março.

Balança comercial de abril

Na quinta-feira, depois do feriado, sai a balança comercial de abril. A Rosenberg espera superávit de US$ 6,3 bilhões, com as exportações crescendo muito pouco, pela média diária, em relação a abril do ano passado (0,8%). As importações devem mostrar estabilidade na comparação pela média diária, resultando num saldo apenas pouco superior ao visto em abr/18 (US$ 6,1 bilhões), segundo a Rosenberg.

Produção industrial, um trimestre frustrante

Na sexta-feira, sai a Produção Industrial de março estimada pelo IBGE. Para a Rosenberg, o número deve encerrar um primeiro trimestre que pode ser caracterizado como frustrante. A Produção manufatureira deve ter recuado 0,6% em março na comparação com fevereiro, o que levaria o acumulado no primeiro trimestre para uma queda de 1,9% na comparação com o mesmo trimestre do ano anterior.

De olho no Fomc e nos juros nos EUA

Na agenda internacional, destaque será a reunião do Comitê de Mercado Aberto (Fomc) do Federal Reserve (Fed, banco central americano) que começa na terça-feira e termina na quarta-feira, em pleno feriado no Brasil.

A última reunião contou com alteração relevante na projeção dos agentes da instituição perante a moderação do crescimento global e o aumento da volatilidade global, lembra a Rosenberg Associados. Os últimos dados indicam alguma melhora no crescimento global e a contínua força do mercado de trabalho doméstico. Mesmo assim, a expectativa é de manutenção do cenário da última reunião.

Mas, mesmo sem mudanças nos juros, a consultoria destaca que a discussão acerca da expectativa do Fomc será relevante nesta reunião. Na sexta-feira, saem dados de mercado de trabalho nos Estados Unidos, que observaram aumento da volatilidade nos últimos meses, mas mantendo ritmo forte de geração de postos e taxa de desemprego baixa na média em de três meses.

Negociações EUA-China

Já o Itaú destaca que as negociações comerciais entre os EUA e a China devem voltar a avançar na terça e quarta-feira, a partir de reuniões entre representantes dos dois países, o que deve sinalizar que um acordo comercial entre as partes está próximo. Ainda sobre a China, o índice PMI da indústria para abril será divulgado na segunda-feira. Na Zona do Euro, o PIB do primeiro trimestre da região será divulgado na terça-feira.

Eleição na Espanha, sem definição

Haverá ainda a repercussão das eleições na Espanha, que terminaram com a vitória do Partido Socialista Operário da Espanha, com 123 deputados eleitos, mas sem condições de formar uma maioria para governar. O partido Podemos conquistou 42 votos e, juntos, têm 165 deputados, mas precisariam de 176 para governar. Já a coalização de direita e extrema-direita conseguiu 147 votos, mais longe ainda da maioria. Destaque para o partido de extrema-direita Vox, que vai estrear no Parlamento com 24 representantes.

Ainda sem data definida, as vendas de veículos de abril também podem ser divulgadas pela Fenabrave.

Fonte Oficial: Investing.com.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!