Investidores cortam previsão de economia com Previdência para R$ 620 bi – Exame

Embora 95% dos entrevistados pela Morgan Stanley esperem aprovação da reforma da Previdência, lentidão tem forçado investidores a reduzirem expectativas

Por Reuters

access_time 30 abr 2019, 17h16 – Publicado em 30 abr 2019, 15h32

Os investidores reduziram a expectativa de economia ao longo da próxima década com a reforma da Previdência para R$ 620 bilhões, contra R$ 690 bilhões apenas dois meses atrás, de acordo com a estimativa média de uma pesquisa com clientes da Morgan Stanley.

Embora 95% dos mais de 125 entrevistados esperem que o Congresso acabe aprovando a reforma da Previdência, a jornada lenta e complicada do projeto de lei nas últimas semanas forçou os investidores a reduzir suas expectativas.

Uma economia de R$ 620 bilhões seria uma expectativa “mais razoável”, segundo o Morgan Stanley. Mas isso representaria apenas metade da meta revisada para cima de 1,237 trilhão de reais, anunciada no início deste mês pelo governo.

A estimativa média mais recente é 10% que a pesquisa anterior com clientes do Morgan Stanley em fevereiro e mascara algumas mudanças de opinião notáveis em apenas dois meses.

Agora, 42% dos entrevistados esperam uma economia de R$ 600 bi ou menos, mais que o dobro dos 20% de fevereiro, enquanto a porcentagem de entrevistados prevendo R$ 500 bilhões ou menos triplicou de 4% por cento para 12%.

A parcela daqueles que esperam uma economia de R$ 700 bilhões a R$ 800 bilhões caiu para 16%, quase metade dos 29% em fevereiro, e a proporção de investidores que esperam mais de R$ 800 bilhões caiu de 18% para 11%, mostrou a pesquisa.

O grande aumento foi na faixa de uma economia de R$ 500 bilhões a 600 bilhões. Cerca de 30% dos entrevistados esperam agora esse nível de economia, quase o dobro dos 16% em fevereiro.

Os investidores esperam esmagadoramente que a Câmara dos Deputados aprove a reforma no segundo semestre deste ano. Apenas 5 por cento dos entrevistados esperam a aprovação na Casa antes do final de junho, meta que parlamentares e autoridades do governo do presidente Jair Bolsonaro ainda pretendem atingir.

Trinta por cento dos entrevistados disseram que a votação na Câmara ocorrerá em agosto, 23% falaram em setembro e 20 por cento citaram julho. Na última pesquisa, 39 por cento dos investidores esperavam uma votação na Câmara dos Deputados no primeiro semestre do ano, provavelmente em junho.

A pesquisa também mostrou que o otimismo dos investidores sobre o real diminuiu. Os clientes veem o real se fortalecendo um pouco até o final do ano, para 3,85 por dólar, de pouco menos de 4,00 atualmente, em vez de 3,60 na pesquisa anterior.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!