Quem ganha e quem perde com o petróleo atingindo US$ 100 o barril – Exame

Petróleo se aproxima da maior cotação em seis meses, o que resultaria em um mundo com PIB menor e inflação maior, mas com impacto distribuído desigualmente

Por Enda Curran e Michelle Jamrisko, da Bloomberg

access_time 1 maio 2019, 08h00

A alta dos preços do petróleo apresenta outro obstáculo para a economia global depois de o presidente Donald Trump ter prometido zerar as vendas de petróleo do Irã.

O petróleo Brent subiu cerca de 33% este ano e está próximo da maior cotação em seis meses. Embora os preços mais altos, devido à forte demanda, normalmente reflitam uma economia global robusta, um choque resultante da oferta restrita é negativo.

Vai depender muito da constância do movimento de alta. Os países exportadores vão se beneficiar do impulso das receitas corporativas e dos governos, enquanto os mercados consumidores arcarão com o custo nas bombas, o que alimentaria a inflação e prejudicaria a demanda. Em última análise, os preços mais altos podem ser prejudiciais a todos.

1. Qual o significado para o crescimento global?

O impacto será variado. As cotações mais altas do petróleo devem afetar a renda e os gastos das famílias e acelerar a inflação. Como maior importador mundial de petróleo, a China é vulnerável e muitos países da Europa também dependem de energia importada.

Efeitos sazonais também terão impacto. Com o verão do hemisfério norte se aproximando, os consumidores podem mudar as fontes de energia e diminuir o uso. Uma desaceleração da economia mundial também afetará a demanda e, por extensão, manterá os preços sob controle.

2. Como a economia mundial pode absorver o petróleo a US$ 100?

Para um impacto continuado no crescimento, economistas dizem que o petróleo precisaria se manter acima de US$ 100. Depende também da força ou fraqueza do dólar, dado que o petróleo bruto é cotado na moeda americana.

Análise da Oxford Economics aponta que o Brent a US$ 100 o barril até o fim de 2019 significaria um PIB global 0,6% menor do que o projetado atualmente até o fim de 2020, com um aumento médio de 0,7 ponto percentual da inflação.

3. Como o Irã e Trump irão impactar o mercado?

Um abalo do comércio global de petróleo em torno do embate Irã-Trump pode continuar tendo um impacto considerável nos mercados financeiros, já que a oferta afetada corresponde a até 800 mil barris por dia. Incertezas sobre a oferta chegaram a derrubar os mercados de petróleo. E a instabilidade política causada por esses acontecimentos provoca volatilidade em outros mercados.

4. Quem ganha com os altos preços do petróleo?

As economias emergentes dominam a lista dos países produtores de petróleo, por isso o impacto é maior do que nas desenvolvidas. O aumento das receitas ajudará a recuperar os orçamentos e déficits em conta corrente, permitindo que os governos aumentem os gastos que estimularão o investimento.

Entre os vencedores estão Arábia Saudita, Rússia, Noruega, Nigéria e Equador, segundo análise do Nomura.

5. Quem perde?

As economias emergentes com déficits fiscais e de conta corrente correm risco de enfrentar grandes saídas de capital e desvalorização das moedas, o que por sua vez poderia acelerar a inflação.

Isso, por sua vez, forçará governos e bancos centrais a ponderar suas opções: aumentar as taxas de juros, mesmo com o crescimento lento, ou evitar a medida e arriscar uma fuga de capitais. A lista de perdedores da Nomura inclui a Turquia, Ucrânia e Índia.

6. O que significa para a maior economia do mundo?

Enquanto os produtores de petróleo dos EUA tentam tirar proveito de qualquer impulso das vendas para clientes que deixam de comprar do Irã, a economia geral dos EUA não necessariamente será beneficiada com os preços do petróleo a US$ 100 o barril. Seria uma pressão sobre os consumidores americanos, que são a espinha dorsal de um crescimento econômico ainda estável.

7. A inflação vai subir ao redor do mundo?

Como a energia se reflete principalmente nos índices de preços ao consumidor, os formuladores de políticas olham os núcleos dos indicadores, que excluem componentes voláteis. Se a alta dos preços se mostrar substancial e sustentada, esses custos serão filtrados para o transporte e serviços públicos.

8. O que significa para os bancos centrais?

Liderados pelo Federal Reserve, os bancos centrais de todo o mundo adotaram uma tendência de afrouxamento da política monetária diante da ausência de inflação, que permite o foco no combate à desaceleração do crescimento.

É improvável que isso mude no curto prazo. O Fundo Monetário Internacional revisou para baixo este mês sua previsão de crescimento global e disse que o mundo atravessa um “momento delicado”.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!