Baixa competição entre distribuidoras impede gasolina mais barata, diz ANP – Exame

Agência tem focado em dar maior transparência ao setor de combustíveis, que, no ano passado, motivou a greve dos caminhoneiros

Por Estadão Conteúdo

access_time 2 maio 2019, 11h25

O predomínio de três grandes empresas no mercado de combustíveis — BR Distribuidora, Raízen e Ipiranga — contribuiu para que motoristas pagassem mais pela gasolina na bomba, num período em que a Petrobrás reduziu o preço na refinaria, no fim do ano passado, segundo estudo da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). A pesquisa indica que empresas ampliaram os lucros enquanto a estatal revia sua tabela para baixo.

A agência tem focado em dar maior transparência ao setor de combustíveis, que, no ano passado, motivou a greve dos caminhoneiros.

A ANP analisou os preços praticados nas refinarias estatais e postos revendedores, entre 31 de outubro e 1º de dezembro de 2018. “No caso do segmento de distribuição, a margem bruta ultrapassou R$ 0,40/litro no período em que houve a maior redução de preços da Petrobrás, o que sugere, em uma primeira análise, a falta de competição no setor, o que gera a apropriação pelas distribuidoras de parte significativa dos descontos praticados pela empresa”, informa a agência. No mesmo período em que as margens da distribuição subiram, a Petrobrás reduziu o seu preço em R$ 0,33, segundo tabela da ANP.

A distribuição é o segmento do mercado entre o refino, que transforma o petróleo em derivado, e os postos de gasolina. Até a década de 1990, era um segmento controlado pelo governo, com preços tabelados. A sua liberação, no entanto, não foi suficiente para garantir a competição, de acordo com a ANP.

A agência destaca que, em 2008, as três maiores distribuidoras presentes no País respondiam por 51,49% do mercado de gasolina. Passados oito anos, a participação de mercado do mesmo grupo passou para 64,87%. Em óleo diesel, a fatia cresceu no mesmo período de 63,84% para 72,93%.

O estudo foi encaminhado ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), que informou ao Estadão/Broadcast, por meio de sua assessoria, “que recebeu a nota técnica da ANP e que ela está em análise”.

A Plural, representante das distribuidoras, nega a concentração e a informação de que as empresas tenham aproveitado a oportunidade para refazer suas margens. Diz ainda que, analisando um período mais longo, é possível constatar que elas reduziram os ganhos com a venda de gasolina. Procuradas, as três companhias que dominam o setor não se pronunciaram.

O presidente da Plural, Leonardo Gadotti, argumenta que outro estudo, da BCG, consultoria independente, contraria as conclusões da ANP. “A concentração existe sim no refino. Na distribuição, não é possível dizer isso, já que existem mais de 150 empresas atuando.”

Para o diretor do Centro Brasileiro de Infra Estrutura (CBIE) Adriano Pires, a ANP peca por não analisar os mercados regionalmente. “Localmente, as grandes distribuidoras concorrem com as pequenas e médias”, afirmou Pires.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!